Castro Laboreiro Cão - Raças de cães | Mascote

Postado por tiadoc | 6 Setembro 2011

- Cão de Castro Laboreiro - Portugal FCI 170

Cão de Castro Laboreiro

O Cão de Castro Laboreiro É um cão de excelente guarda e companheiro
HistóriaCaracterísticas físicasCaráter e habilidadesImagensVídeos
História

O Castro Laboreiro Cão (Cão de Castro Laboreiro) É uma raça de cão portuguesa de tamanho grande. Originários da freguesia de Castro Laboreiro, Melgaço, é que um tipo de cão lupóide amastinado é mais leve do que outras raças de cães de gado.

O cão de Castro Laboreiro tem sua origem na região que lhe deu seu nome, o povo de Castro Laboreiro, no concelho de Melgaço. É uma região montanhosa acidentada que se estende desde o Rio Minho Peneda e montanhas de Soajo entre os rios Trancoso, Laboreiro e moro, até que em torno de 1400 m acima do nível do mar.

Como o cão., Castro Laboreiro é uma das regiões mais antigas da terra portuguesa. Os vestígios pré-históricos como Antas e pinturas rupestres, Eles demonstram a presença do homem na região há milhares de anos. Os pontos fortes são a prova da forte presença da cultura celta na região. Também os celtas e romanos veio aqui, Estradas romanas e construindo pontes com suas metas.. As comunidades castrejas sempre viveram de caça, pesca, pastagem e agricultura.

A pesquisa ao bom pasto para o gado é efectuada por um tipo de transumância curto, Tornou-se um sazonal migração ainda ocorre em alguns sectores da população caracteriza-se por uma curiosa adaptação ao terreno montanhoso e clima.

Os cães que acompanhou (e acompanhar) Estes movimentos de gado transhumant que, sendo uma curta distância., Ao contrário do que aconteceu no resto da Península Ibérica (incluindo a transumância dos rebanhos de ovelhas na Serra da Estrela, cujo movimento chegou a várias centenas de quilômetros.), não é necessário um animal tão poderoso.

O número de ovinos e caprinos, Ele tem vindo a diminuir nos últimos anos e tem gradualmente substituído pelo gado. Cão de Castro Laboreiro adaptou-se às mudanças sociais, É ainda tão eficaz em proteger as ovelhas, cabras e vacas como yesteryear, mas ele também adquiriu novas funcionalidades. Devido a emigração dos homens ao longo dos anos 40, principalmente a França, deixando as mulheres sozinho para cuidar da terra e os animais, cães desenvolveram um papel muito importante sob a custódia da propriedade e dos membros das famílias, Além da proteção dos animais que foi sua principal obra.

Este caractere especial, esculpido pela dureza das montanhas e o ritmo de vida dos habitantes de Castro Laboreiro, Ele também foi um resultado do isolamento desta região de difícil acesso - até há pouco tempo – a primeira estrada de terra foi concluída em 1948.

Avanços científicos permitiram geneticistas confirmar a determinados testes (por exemplo, Arqueológico, características morfológicas e comportamentais) Você afirma que o Lobo é o ancestral da Castro Laboreiro Cão. De acordo com registros fósseis, a domesticação do Lobo tem sido hace aproximadamente 14.000 anos na região do Crescente fértil, cães espalharam-se rapidamente por toda a Europa, Ásia e América do Norte. Estudos genéticos também indicam que a domesticação deve ter acontecido apenas uma vez.

Apesar da presença de cães no território português desde o período Mesolítico, os primeiros vestígios aparecem em representações de cenas de caça em mosaicos romanos. As primeiras referências para as corridas nacionais no século. XVI, Ele sugere que eles podem ser menos 300 um. 600 anos.

Cães de gado foram sempre um elemento importante nas comunidades de agropastorales. Ao do Cão de Castro Laboreiro, sua qualidade e a sua importância são realçados por vários autores. Augusto leal (1874), descrevendo a região., faz menção dos cães existentes, também o etnógrafo José Leite de Vasconcelos (1933) refere-se a Castro Laboreiro como. Há também referências a corrida na literatura, como o romance de Camilo Castelo Branco., Prazins Brasil (1879).

O orgulho nacional gerado pelo Castro Laboreiro Cão brilha durante todo o ano em concursos de cão de Castro Laboreiro, a mais antiga existente em concorrência canina de Portugal. Desenvolvido pelo pai de Aníbal Rodríguez, Castro Laboreiro sacerdote de 1945 (morreu em 2003), Esta competição é tradicionalmente realizada todos os anos desde meados do 50, Foi realizado pela primeira vez em Outubro e em décadas recentes 15 Agosto. A competição tem sido muito importante para a divulgação e a manutenção das características da raça.

Na verdade, mistura com outras raças foi um problema sério, até muito recentemente. A introdução de outras raças., facilitada por uma maior abertura para o exterior da região, produzido cruzando, não controlado, com os cães nativos que levou ao surgimento de cópias com recursos menos comuns que alertou muitos juízes em concursos e os interessados na corrida através de vários meios de comunicação.

Este problema é muito ultrapassado por criadores responsáveis através de maior controle de acasalamento. Eles estavam interessados em aprender tudo sobre as características da raça, ganhar um lugarcito em português Kennel Club (CPC), Observando os pais da maca e colocação cópias no livro genealógico da raça.

Apesar do reconhecimento de sua antiguidade., só no segundo trimestre do século XX foram iniciados estudos relevantes para alcançar uma definição do padrão da raça. O que foi publicado em 1935 pelo Professor Manuel Fernández Marques. Este foi um marco importante para a conservação da raça, sendo um garante da preservação de suas características originais. Em vigor, o padrão representa o tipo ideal de corrida, a descrição das características que definem, eles formam a base de referência para seguir na seleção. Apesar do fato de que a norma foi publicada em 1935, os primeiros registros no livro genealógico da raça foram provisoriamente em 1932. Em 1993 aprovou uma alteração à altura na Cruz, foi aumentado em 4,3 cm, reflectindo a tendência na corrida nos últimos anos.

Apesar de seu menor tamanho de corpo, Agilidade é também uma vantagem na luta com o lobo., fácil de escapar do ataque destes. Há muitas histórias de cães que ajudaram pastores para capturar Lobos quando eles estavam atacando gado, Ainda existem alguns relatos de cães fatalmente atacados por lobos.

As características específicas do ambiente da região e o sistema de pastejo rotacionado, junto com o isolamento geográfico, eles deram origem a um cão de gado único. Apesar da provável origem comum para mais de 50 gado cão raças reconhecidas na Ásia e em toda a região mediterrânica, Distingue-se por ser um cão menor. Na verdade, É uma raça de cão de montanha, de médio a grande, ao invés de amastinada lupóide – com uma cabeça mais leve, mas poderoso, e com uma altura para a Cruz, que pode variar entre 55 e o 64 cm (mais de 2 tolerância cm) e um peso de entre 25 e 40 kg. Esses recursos permitem que você a ser mais activo e, por conseguinte, inquietos, sempre alerta, facilmente ser rapidamente tem a presença de predadores, Quando cuidar de gado é sobre.

Características físicas

Os olhos do cão de Castro Laboreiro são inclinados em amendoados e são médias. Sua pelagem é composto por uma camada de luz pelage marrom tende a marrom escuro. As orelhas são triangulares, arredondado na ponta e pingentes. Quando é o cão atencioso, as orelhas tornar-se frente. A cauda é larga e grossa, até as pernas quando o cão está calmo e movimento assume a forma de Saber, Além da linha de fundo. O cabelo é curto (5 cm) espessa e resistente, disco rígido ao toque, macia e abundante em todo o corpo. De um modo geral, o cabelo é mole em algumas áreas, como a cabeça e orelhas. A cor da pelagem é composto por uma camada de dominante local cor frequentemente tem estrias.

Por causa da sua eficácia comprovada na proteção dos rebanhos contra lobos e outros predadores como raposas ou cães selvagens ataques cada vez mais são usadas para proteger os rebanhos de ovinos e caprinos ou rebanhos de vacas, Castro Laboreiro até o planalto de montanhas do Alvão. Nesta região há um kernel de cães de raça crescendo integrada pelo grupo Wolf – Associação para a conservação dos Lobos e seu ecossistema. O grupo Wolf desenvolveu um projecto inovador de grande interesse, cujo objectivo é promover o uso de cães Castro Laboreiro na proteção dos animais, para reduzir as perdas causadas por lobos, e, assim, reduzir os conflitos enfrentados pelas comunidades rurais com esse predador.

O lobo-ibérico, a última da nossa fauna de grandes carnívoros, Ele está em perigo de extinção e estão totalmente protegidos pela lei de 1988. Assim, chegamos a uma situação em que se encontra associada à conservação da recuperação do Lobo a uma raça nacional do cão, o cão de Castro Laboreiro, também está em risco de extinção. O património genético dos animais é parte da biodiversidade nacional temos responsabilidade pela preservação, sua perda seria irreversível.

Durante os primeiros meses de vida, especialmente de 2 um. 6 meses de idade, progressivo contato com uma variedade de ambientes e situações deve ser dada ao cão (por exemplo, andando na rua ou viajando de carro, entre em contato com pessoas estranhas e crianças e outros cães). Uma educação adequada, com estímulos positivos e sem o uso da força, É a base para o desenvolvimento de um animal de estimação saudável e equilibrado.

Os cães podem ter duas ninhadas por ano, a primeira - em geral- Após 6 meses de idade. As ninhadas tendem a ter, em média, sete cães, pode, No entanto, alcançar o 14 Perros.

Quando os filhotes nascem têm um casaco mais escuro que tende a clarear gradualmente à medida que crescem e adquirem o típico distribuídos. Também a textura e a dureza da mudança de cabelo acompanhada com crescimento.

Com relação à altura das amostras foi proposta em anual geral do encontro do clube de Castro Laboreiro Cão (10 em julho de 1993) a mudança de altura para os homens 58 um. 64 cm (com uma tolerância de + 2 cm) e as fêmeas em 55 um. 61 cm (com uma tolerância de + 2 cm). A proposta de modificação da norma foi adoptada por unanimidade e, mais tarde, sujeito à aprovação pelo português Kennel Club, onde ser posterior revisados pelo Comitê técnico, Foi adotado pelo Conselho Geral extraordinário do clube português canina a 24 em agosto de 1993.

O padrão FCI do cão de Castro Laboreiro
Caráter e habilidades

Apesar da sua aptidão natural para a protecção dos animais é uma raça muito versátil, Ele se destacou em papéis diferentes. Ele foi usado como um cão de polícia militar e o corpo de fuzileiros navais em Portugal para manter a ordem. Alguns também são usados em embalagens para caça.

É também um cão de guarda excelentes e companheiro, por sua inata para proteger a capacidade e dedicação completa para seu proprietário, será de grande delicadeza, especialmente com as crianças.

É um cão inteligente, fácil de treinar, mas com um temperamento um pouco independente, Ele é derivado de sua missão de proteger o rebanho, que funciona independentemente do pastor.

Ele estabelece um vínculo forte com sua família (humana ou não) Instintivamente protege contra todo perigo. Ele tem uma grande capacidade de protecção, sempre vigilantes, atenta a qualquer ladrão ou perigos que vêm, à procura de possíveis amenazas… Os homens tendem a ser mais dominante e agressiva na presença de outros machos, mas, usado em pequenos, Você pode facilmente viver com outros machos de tamanho de corujas.

Comentários

Sua casca é muito distinto e muito som: começa com tons diferentes, apenas grave, e termina com um uivo-como agudos estendido.

Imágenes Perro de Castro Laboreiro
  • Nomes alternativos: Cão de Castro Laboreiro / chien de Castro Laboreiro / Castro Laboreiro-hund / Castro Laboreiro dog / Portuguese Cattle Dog
  • Grupo 2 / Seção 2 – Cães Molosoides e montanha

Raças de cães: Cão de Castro Laboreiro

2 Comentários sobre"Castro Laboreiro Cão
  1. Francisco Colaço Jorge diz:

    Tenho uma cadela há 12 anos da raça Castro Laboreiro, para me fazer a guarda do meu quintal, em Rua dos Castelos, N 10, Brinches-Serpa, comporta-se como se a casa fosse realmente dela, meiga e sempre atenta ao que se passa à volta. inicialmente tinha alguns maus habitos porque quando vim de Lisboa para esta minha terra, encontrei-a abandonada na Rua, onde parmanecia havia mais ou menos seis meses, sem qualquer apoio nem companhia a não ser a fome e sede.
    Espero que venha a continuar a sua vida por mais alguns anos onde tem prestado sempre bom serviço e uma companhia excelente.
    É pena que os nossos politicos só agora se tenham lembrado dos maus tratos aos animais, após quarenta anos de democracia, na qual só se fazem representar a eles próprios e de forma individual em nome dos ditos partidos politicos.

  2. Ru Carneiro diz:

    O terceiro vídeo Keysha, não é um Cão de Castro Laboreiro.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

print friendly, PDF e e-mail



raton

Utilização de cookies

Este web site utiliza cookies para que você tenha a melhor experiência de usuário. Se você continuar navegando você está dando seu consentimento para a aceitação dos cookies acima mencionados e a aceitação de nosso política de cookies, Clique no link para obter mais informações.cookies de plugin

ACEITAR
Aviso de cookies
lightbox WordPress