Braco da Transilvânia (Braco-da-transilvânia)
Hungría FCI 241 - Farejadores de médio porte

Braco-da-transilvânia

É usado na caça à raposa e à lebre; a variedade de tamanho maior é usada na caça de javalis, veado e lince.

Conteúdo

História

O Braco-da-transilvânia é uma raça húngara muito antiga, cujo desenvolvimento foi influenciado pelas condições climáticas, a natureza do terreno e métodos de caça nesta parte do mundo.

A raça teve sua idade de ouro na Idade Média, Quando o Braco da Transilvânia Ele era o cão de caça favorito da nobreza. O desenvolvimento da agricultura e da silvicultura se afastou dos locais de caça, e seu uso mudou para as montanhas e florestas inacessíveis dos Cárpatos.

Esta mudança de território e hábito levou à criação de duas variedades diferentes de Braco-da-transilvânia: um maior e um menor.

  • Variedade de pernas compridas: altura 56-66 cm; cor preta com marcações brancas na frente, peito, pés e ponta da cauda. Usado para raposa e lebre.
  • Variedade de pernas curtas: altura 46-51 cm; cor de base marrom-avermelhada com manchas brancas. Usado em urso, veado e lince.

Ambas as variedades sempre foram cruzadas. Originalmente, o grande Braco da Transilvânia foi usado para caçar grandes animais: primeiro búfalo, mais tarde urso, javali e lince. O “cão de caça de pequeno porte” eles eram usados ​​para caçar pequenos animais (raposas, lebres) em terreno coberto e para caça “camurça” em áreas rochosas.

No início do século XX, o ameaçado Braco-da-transilvânia quase desapareceu completamente, mas foi recuperado em 1968. Hoje existe um grande número de cães de Braco-da-transilvânia na Hungria e na vizinha Romênia. A variedade de “cão de caça de pequeno porte” tornou-se extinto.

Fotos: Macho, 1 ano de idade Transylvanian Hound, na Hungria por Rio Jahnna, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

Características físicas “Braco-da-transilvânia”

O cão Sabujo Carpathiano cresce 65 cm e pesa pelo menos 25 kg. Todo o corpo, incluindo barriga, está coberto de cabelo curto, densa, liso e grosso que se encaixa bem no corpo. A cor básica é preta com bronzeado no focinho e nas pernas. A cauda é e é portada acima da linha superior quando acordado, ligeiramente curvado para cima. Orelhas penduradas, definido na altura média, deitar perto das bochechas sem rugas, apresentado mal cobre os olhos.

Caráter e habilidades “Braco-da-transilvânia”

Natureza expressiva e amorosa – um cachorro com habilidades muito boas.

Cão de caça da Transilvânia
Braco da Transilvânia fêmea por Lnko2323, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia Commons

O Braco-da-transilvânia adaptado perfeitamente às condições climáticas extremas de sua terra natal. Aqui, a raça robusta teve que lutar não apenas com os invernos frios e com neve, mas também com dias quentes de verão. A caça nos Cárpatos era muito exigente devido às montanhas densas e de difícil acesso. Ser capaz de trabalhar o ano todo nessas áreas traiçoeiras, o Braco da Transilvânia desenvolveu não apenas sua estatura física, mas também suas habilidades mentais.

Com seu olfato marcante, seu extraordinário senso de direção, sua grande resistência e sua enorme destreza, Esta corrida, além de qualidades como autoconfiança e instinto predatório, fornece tudo que um excelente cão de caça precisa. Eles são capazes de tomar decisões inteligentes em quase todas as situações de caça e comunicar seu sucesso com uma voz clara. Como muitos cães de caça, o Braco da Transilvânia é um profissional que trabalha duro.

Em casa, o Braco-da-transilvânia ele é um cachorro muito amigável e calmo, que está intimamente ligado ao seu dono, para crianças e seus familiares. Como também é altamente considerado um cão de guarda, se comporta de forma suspeita com estranhos, no começo geralmente é um pouco reservado, mas não parece nem um pouco perigoso ou agressivo.

Se o cão é bem socializado e educado desde jovem, comportamento relaxado é expresso, obediente e social, também junto com conspecífico.

O Braco-da-transilvânia precisa de muito exercício, preferencialmente combinado com trabalho, tais como a caça. Seus proprietários devem ter um estilo de vida ativo para atender aos requisitos de manter um cão de caça.. Se as condições suficientes para exercício e emprego forem atendidas, esta raça pode ser mantida em casa ou apartamento sem problemas.

Avaliações do Braco da Transilvânia (Braco-da-transilvânia)

Coexistência é importante que você tem com seu novo amigo. Plantearte antes de adquirir uma raça de cão “Braco da Transilvânia (Braco-da-transilvânia)” você sabe alguns fatores. Nem todas as raças de cães são capazes de viver em um apartamento, Você deve levar em conta a sua qualidade, sua necessidade de exercício, sua interação com outros animais de estimação, seu cuidado e se você tiver crianças pequenas, o seu nível de tolerância para com eles.

adaptação ⓘ

3.0 Avaliação
3 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Ⓘ cão amigável

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

A perda de cabelo ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Nível de afeto ⓘ

5.0 Avaliação
5 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Necessidade de exercício ⓘ

3.0 Avaliação
3 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

necessidade social ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

casa ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

sanita ⓘ

3.0 Avaliação
3 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Amigável com estranhos ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

cascas ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

saúde ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

ⓘ territorial

5.0 Avaliação
5 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Amigável com gatos ⓘ

2.0 Avaliação
2 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

inteligência ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

versatilidade ⓘ

4.0 Avaliação
4 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Crianças amigável ⓘ

2.0 Avaliação
2 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

vigilância ⓘ

5.0 Avaliação
5 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

alegria ⓘ

5.0 Avaliação
5 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Vídeos do “Braco da Transilvânia (Braco-da-transilvânia)”

Transylvanian Hounds -Wild boar Dogs
Hector – Transylvanian Hound – 3 Weeks Residential Dog Training

Tipo e reconhecimentos:

  • CLASSIFICAÇÃO FCI: 241
  • Grupo 6: – Sabujos Farejadores e Raças Assemelhadas.
  • Seção 1.2: Farejadores de médio porte. Com prova de trabalho.

Federações:

  • FCI – Grupo 6: Sabujos, farejadores e raças assemelhadas. – Seção 1.2: Farejadores de médio porte.
  • UKCScenthounds

Padrão da raça FCI “Braco da Transilvânia (Braco-da-transilvânia)”

FCI Padrão No. 241 / 13.09.2000 / E
HUNGARIAN HOUND-TRANSYLVANIA HOUND(Erdelyi Kopo)
TRADUÇÃO: Lucas Bazzurro de Rodríguez.
ORIGEM: Hungria.

DATA DE PUBLICAÇÃO DO PADRÃO VÁLIDO ORIGINAL : 06.04.2000

USO:

Cachorro usado para caça (Sabujos). Ele é capaz de caçar mesmo a uma grande distância de seu guia. Ele é especialmente talentoso em localizar e seguir uma trilha. Quando você descobre uma nova trilha, emite um latido agudo em um tom lamentável. Durante o rastreamento, latir alto com um som ressonante à distância. Depois da batida, para a presa excelente. Normalmente trabalha sozinho ou com um parceiro.

CLASSIFICAÇÃO FCI

  • Grupo 6 Sabujos, cães rastreadores (exceto Lebreles) e raças afins.
  • Seção 1.2 Cães de caça de tamanho médio.

Com prova de trabalho.

BREVE RESUMO HISTÓRICO : É uma raça húngara antiga ; seu tipo desenvolvido dadas as particularidades do clima, o terreno e as características da caça. Viveu seu período de esplendor na Idade Média ; naquela época era a raça de caça amada pelas casas nobres. Para o desenvolvimento da agricultura e silvicultura, ele foi relegado em suas funções às florestas intransponíveis dos Cárpatos. Dadas as características variadas do terreno, Erdélyi Kopó evoluiu em duas variedades : a grande variedade e a pequena variedade. As duas variedades eram regularmente mantidas juntas. Anteriormente, a grande variedade do cão húngaro era usada na caça grossa, originalmente búfalo, depois ursos, javali e lince ; a pequena variedade de húngaro húngaro era usada para pequenos jogos de caça, como raposas ou coelhos em terras arborizadas, bem como camurça em terreno rochoso. No começo do século 20, o cão húngaro estava praticamente extinto. Reprodução foi retomada no ano 1968. Hoje, o estoque tem um número significativo de espécimes da grande variedade na Hungria e na vizinha Romênia. A pequena variedade desapareceu.

OLHAR GERAL :

A forma e o porte da cabeça, as proporções do corpo, os membros poderosos e musculosos e a inserção da cauda correspondem às características do tipo de cão da Europa central. É um cão de porte médio. A estrutura corporal do Hungarian Sabujo adapta-se ao trabalho com golpes longos ; é atleticamente construído, nem pesado nem fino de osso.

PROPORÇÕES IMPORTANTES

• A relação entre o comprimento do crânio e o comprimento do focinho é próxima a 1:1.
• A relação entre a altura na cernelha e o comprimento do corpo é 10:11

TEMPERAMENTO / COMPORTAMENTO : É de bom temperamento, corajoso, persistente. Essencialmente, o comportamento do cão húngaro é silencioso, equilibrado, também determinado e cheio de temperamento. É capaz de resistir a condições climáticas extremas.

CABEÇA :

A cabeça é de um cão, alongado, mas não pontudo ; diferenças de acordo com o sexo são marcantes.

REGIÃO CRANIANA : A pele da cabeça é esticada e sem rugas.

  • Crânio : Ligeiramente abobadado. A protuberância occipital não é marcada. Os arcos supraciliares são mal desenvolvidos.
  • Links de depressão (Stop) : Pouco forte.

REGIÃO FACIAL

  • Trufa : A trufa não é cortada muito abruptamente ; sua cor é preta. As asas das narinas são móveis. As janelas são largas.
  • Focinho : Leme nasal é reto.
  • Lábios : Seco e firmemente aderente. A cor da mucosa é preta.
  • Mandíbulas / Dentes : As mandíbulas são fortes. Dentes são fortes, bem desenvolvido. Bite em tesoura, completo e de acordo com a fórmula dentária do cão.
  • Bochechas : Arredondado, apenas subdesenvolvido.
  • Olhos : Tamanho médio, macarons, corte ligeiramente oblíquo. A cor é marrom escuro. As pálpebras repousam firmemente sobre o globo ocular.
  • Orelhas : Inserido em altura média, não muito pesado. Eles ficam pendurados sem rugas descansando ao lado das bochechas. A partir de sua inserção, eles se alargam e depois ao longo de sua extensão, ajuste fino até terminar em uma extremidade arredondada. Apresentados, eles cobrem os olhos, embora em geral, seu comprimento não os excede muito.

PESCOÇO :

Fortemente musculado, tempo médio. A pele está ligeiramente enrugada na parte inferior do pescoço. Um leve queixo duplo é admitido, mas não desejado.

CORPO :

O corpo tem a forma de um retângulo deitado.

  • Top de linha : Em linha reta.
  • Cruz : Marcado de volta : Da cruz, musculatura reta e bem desenvolvida.
  • Lombo de porco : Um lombo ligeiramente mais longo é permitido nas mulheres.
  • Alcatra : Ligeiramente descendente.
  • No peito : O esterno não está saliente. A caixa torácica é larga, longo e não muito profundo. Secional, a caixa torácica é oval, quase arredondado, para permitir uma boa respiração.
  • Linha inferior e barriga : A barriga é ligeiramente encolhida.

CAUDA :

Inserção do meio, forte. Em repouso, o terço distal da cauda se curva suavemente para cima ; é desejável que alcance 1-2 cm. do nível do tarso para baixo. Estando excitado, o cachorro tem o rabo dobrado sobre a linha dorsal ; no entanto, não deve ser rolado para trás. A cauda não deve ser cortada.

MEMBROS

MEMBROS ANTERIORES : Os membros anteriores sustentam o corpo como se fossem colunas. Frente, membros anteriores parecem paralelos, dependendo do tórax largo correspondentemente separado.

  • Ombro : A escápula é bem musculosa, correspondentemente longo e moderadamente oblíquo.
  • Cotovelo : Apoiado próximo à caixa torácica.
  • Antebraço : Reto e simétrico.
  • Pés dianteiros : Eles são grandes, com os dedos juntos, forte e arqueado. As almofadas são grandes, firme e bem acolchoado. As unhas são fortes e tão pretas quanto possível.

MEMBROS POSTERIORES : Em posição de parada, as costas estão ligeiramente esticadas para trás, bom muscular.

  • Coxa : Longo.
  • Hock : Baixo.
  • Metatarso : Reto e paralelo.
  • Pés traseiros : Os dedos são fortes e juntos. As almofadas são grandes, firme e bem acolchoado. As unhas são fortes e tão pretas quanto possível. As esporas terão de ser removidas.

MOVIMENTO :

Boa passagem de alcance e boa cobertura do solo, nunca com passos curtos. O trote é largo. Durante o trabalho, ele é extremamente constante no galope.

PELE :

A pele do Hound Húngaro é de espessura média ; particularmente ao redor do pescoço um pouco solto, embora nunca enrugado. A pele é de pigmentação escura. As áreas sem pelos da pele são pretas.

PELES

CABELO : Todo o corpo, incluindo a área da barriga, é coberto por um cabelo curto, espesso, suave e bem suportado. No pescoço, na cruz, na borda posterior das coxas e na parte inferior da cauda, o cabelo é ligeiramente mais comprido do que o resto do corpo. Características redemoinhos e cristas no cabelo. O pelo é áspero e brilhante. Sob a camada externa de cabelos, apresenta lã interna.

COR :

A cor básica da pelagem do Hound Húngaro é preta. Sempre tenha uma marca bronzeada não muito escura, em forma de ponta, sobre os arcos orbitais. Marcas bronzeadas no focinho e extremidades. A cor castanha deve ter limites claramente diferenciados da cor preta. Uma mancha branca pode aparecer no nariz ; pode ser continuado como uma linha na testa, no pescoço e botão no peito, sob o peito, sob os membros e nos pés. Também pode haver uma mancha branca na ponta da cauda. Não é desejável que a cor branca cubra mais de um quinto da superfície total do corpo.

TAMANHO E PESO

ALTURA NA CERNELHA : de 55 até 65 cm.
Altura medida em centímetros, não será de forma alguma decisivo, mas a harmonia do todo.

PESO Mínimo 25 kg.

FALHAS :

Qualquer desvio dos critérios acima é considerado faltando e a gravidade é considerada o grau de desvio do padrão e seu impacto sobre a saúde e o bem-estar do cão.

FALHAS ELIMINATÓRIAS

• cão agressivo ou medroso.
• Crânio e região facial muito estreitos, muito longo ou arredondado.
• Depressão nasal frontal (Stop) macio ou muito marcado.
• Focinho curto
• Mordida incorreta
• orelhas claras, de terrier o de lebrel.
• Cabelo de arame, pêlo macio, ondulado, insuficiente.
• Cor marrom ou azul com marcações.

Qualquer cão mostrando sinais comportamentais ou anormalidades físicas claras será desclassificado.
NB : Machos devem apresentar dois testículos de aparência normais, bem desenvolvidos e acomodados a bolsa escrotal.

Nomes alternativos:

    1. húngaro: (Erdélyi kopó), Transylvanian Bloodhound, Hungarian Hound (Inglês).
    2. húngaro: (Erdélyi kopó), Brachet hongrois (Francês).
    3. húngaro: (Erdélyi kopó), Siebenbürger Bracke (Alemão).
    4. húngaro: (Erdélyi kopó) (Português).
    5. húngaro: (Erdélyi kopó), Braco húngaro, Cazador húngaro, Sabueso de los Cárpatos (español).

Cimarron uruguayo
Uruguay FCI 353 - Molossóides - Dogue

Cimarrón

A raça de cão, cão chamado Cimarron, Cimarron crioulo é a única corrida desenvolvida inteiramente em território uruguaio.

Conteúdo

História

O Cimarron uruguayo Bulldog é um tipo de cão molosoide, médias, Compacta e forte, o pêlo pode ser listrado ou também bayo (cor creme) e focinho preto. Seu temperamento é dócil, astúcia e guardião, ideal para guarda, empresa ou caça. Ele é reconhecido como uma corrida no Uruguai de 1989 e internacionalmente, a Federation Cynologique Internationale – FCI, desde o 21 em fevereiro de 2006.

Etimologicamente Cimarron é um termo aplicado na América (originalmente na ilha de Hispaniola.) Tudo tendo sido interno ou civilizado retornou ao estado selvagem ou selvagens, referindo-se neste caso a seu refúgio nas alturas (Com efeito, as montanhas e vales escondidos) Serras, com a criação de ovelhas seria “quem vive em tops ou ocultos nelas”.

As cópias originais do cão selvagens descendem de cães trazidos pelos conquistadores espanhóis e portugueses.
As cruzes naturais que estavam ocorrendo na natureza é que ele evoluiu no decurso de dois séculos uma variedade nativa perfeitamente adaptada para o ambiente das planícies uruguaio.

«Dizer seu mestre que quando me faltando homens para combater seus asseclas», «-los que eu tenho que lutar com cães fugitivos»: José Gervasio Artigas para o Gral. Carlos Federico Lecor.

A raça de cão, cão chamado Cimarron, Cimarron crioulo é a única corrida desenvolvida inteiramente em território uruguaio.

Cães não doméstico do mundo, espécies ou raças original produziram pela asilvestramiento de raças domésticas retornado para o ambiente natural e conseguiu reajustar o mesmo show um completamente diferente para este desenvolvimento físico, por isso é altamente discutível que esta raça produzida no Uruguai como uma suposta cães maroons modelo mencionados nas crônicas e documentos antigos refletem o comportamento natural dessas. Todos os cães selvagens do mundo, por que é conhecido como “convergência” nível evolutivo têm pernas longas, orelhas eretas, corpo delgado, exceções que ocorrem em climas extremos (enormes orelhas de certos cães de desertos africanos ou orelhas pequenas de raposas do Ártico).

Existem as crônicas de ataques pelos pacotes destes cães para caravanas e pessoas, que levou as autoridades da época (no final do século XVIII) eles já têm e incentivar grandes massacres, atingindo contagem por dezenas de milhares de cães mortos.

Cada animal morto foi pago pelas autoridades da época, exigência de uma prova de morte apresentado a mandíbula ou o par de orelhas do animal. Esta prática levaria a orelha de corte característico realizado muitos vitelos recém-nascidos, sob a forma de “orelha de puma”.

Apesar destes massacres, «…a bom número de mães com sua descendência ganhou as montanhas do Olimar e especialmente na Serra de Otazo e colinas longas», no que é hoje conhecido como departamentos de Cerro Largo e Treinta y Tres, onde muitos fazendeiros e proprietários de terras neste lugar, eles aproveitaram as virtudes desta raça para trabalhar com o gado e a defesa de sua propriedade, começando a levantá-lo, preservando a mistura.

Traços modernos da corrida começam a tornar-se mais público no início da década de 1980, Quando vários criadores de Montevidéu, atraídos por características notáveis alguns exemplares, eles começam a desenvolver os seus pais e padronização.

É no 1989 Quando este trabalho começa a pagar seus frutos, a ser o Cimarron Uruguayo oficialmente reconhecida pela Associação do Uruguai Rural (A.R.U.) e o Kennel Club Uruguayo (K.C.U.), 20 anos após a primeira exposição de um espécime da raça no K.C.U.
Assim, cria a associação de criadores de Maroons uruguaios e Avançar para o K.C.U. Ele prepara o lançamento oficial da corrida, selecionando os cães a mesma base e registrando seus descendentes, sendo tatuado com este número de registo pela primeira vez.

Hoje os atributos de caráter desta raça chamada Cimarron Eles tornam cada vez mais popular na Uruguai e região, para ser usado como cão de companhia, Guarda e caça, em especial a de javali.

Características físicas

O Cimarron Bulldog é um cão de médio tamanho tipo, equilibrado, forte, Compacto, com boa osatura, muscular, astuto e grande coragem. O tamanho e peso no sexo masculino é de 58 a 61 cm. de altura e 38 a 45 Peso kg.. E 55 a 58 cm. de altura e 33 a 40 Peso kg., nas fêmeas.

Caráter e habilidades

É excelente trabalhar com o cão de gado, caça e guarda. Atividade de gado predominante destas terras e a consequente abundância de alimentos sem grande competição com outros predadores naturais, o Cimarron foi reproduzida em grandes números, tornando-se – De acordo com documentos históricos – em uma verdadeira Praga e flagelo para os habitantes da campanha e o gado.

Esta corrida desde que sua padronização tem atraído um crescente interesse tanto no âmbito da fronteira do Uruguai, ter cópias deste cão na América, dos Estados Unidos para a Argentina, com os último vários criadores de Cimarrón Uruguayo.
Uma das etapas no melhoramento genético da chamada raça Cimarrón Uruguayo é a assinatura de um acordo entre a Universidade da República Oriental do Uruguai., através da sua faculdade de medicina veterinária com os quilombolas sociedade de criadores para o estudo do estatuto zootécnico e consanguinidade do exemplar inscrito em seus rolos.

Este longo processo de padronização foi coroado o 21 em fevereiro de 2006 Quando o Bureau Internacional da Federation Cynologique Internationale (FCI) dá reconhecimento internacional para o uruguaio Cimarron.

Os estados padrão da raça que o cão deve ter muita coragem. Como todos os cães de grande porte, Cimarron Uruguayo deve ser bem socializados quando muito jovem, se você quiser ser mantido como companheiro. É um cão muito amigável com crianças e outros animais.

Cimarron Uruguayo é por vezes utilizado para vigilância, caça e todos os esportes do cão em sua Uruguai nativa. Sendo um cão muito inteligente tem sido usado por todos os tipos de postos de trabalho, como resgate ou a pastagem.

Um cão é bastante tranquila e estável, raramente latir menos que a ameaça é real.

O cão Cimarrón primitivo, por suas raízes em território uruguaio, Tem sido um símbolo da luta de independência desde o início mesmo da identidade nacional desta cidade, fielmente refletida na carta enviada pelo General José Gervasio Artigas em resposta ao General Carlos Federico Lecor, Contagem de la Laguna e governador da Provincia Cisplatina (atual Uruguai) em que Artigas expressa que se ele foi deixado sem soldados para lutar, Seria com cães Maroons.

É esta tradição que esta raça agora é símbolo e mascote do exército nacional do Uruguai, tendo um lugar preferencial em desfiles militares anuais do 18 Julho. Nesta ocasião, um soldado do Batalhão de Blandengues (a empresa no momento soube conduzir a mesma Artigas) He passeios levando o desfile levado um corcel mourisca sem junto o piloto que é um cão pastor pela flange.

Imagens Cimarron uruguayo

Créditos:

1. Cimarron Uruguayo – Canil La Fogueira by Leonardo Botião Fonseca / CC BY-SA
2. Cimarron Uruguayo por mancha / CC BY-SA
3. O Winner Show Finnish, Helsinque, 2015. Por Tomasyna / CC BY-SA
4. Nbistolfi / CC BY-SA

Vídeos de Cimarron uruguayo

Tipo e reconhecimentos:

  • CLASSIFICAÇÃO FCI:Grupo 2 –> Cães de tipo Pinscher, schnauzers, Molossos, Cães de Montanha, e Boieiros Suíços. Seção 2.1 –> Molossos, tipo dogo. Sem prova de trabalho.
  • FCI 353
  • Federações: FCI , UKC
  • padrão FCI da raça Cimarron uruguayo

Nomes alternativos:

    1. Cimarron, Uruguayan Cimarron, Cimarron Creole, Maroon Dog, Cerro Largo Dog, Perro Cimarron, Cimarron Dog (Inglês).
    2. Cimarrón uruguayo (Francês).
    3. Cimarrón Uruguayo (Alemão).
    4. Cimarron uruguaio (Português).
    5. Perro Gaucho, Perro criollo, Cimarrón (español).