▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Aidi – Cão do atlas
Marruecos FCI 247 - Molossóides . Montanha

aidi

O Aidi é altamente energética, proteção e extremamente vigilante. Apesar de sua semelhança com o Cães Pastores, O Aidi não é um deles, porque não existem cães pastores do Atlas.

ler mais

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Mastim napolitano
Italia FCI 197 - Molossóides – Dogo

Mastín Napolitano

Apesar de sua aparência feroz, o Mastim napolitano É um cão equilibrado e amigo das crianças.

Conteúdo

História “Mastim napolitano”

O Mastim napolitano, como todos os difusão, muito provavelmente desce do molosso Tibetano. Segundo dados históricos, a Itália é habitada desde tempos muito remotos, que podem remontar ao segundo milênio antes de Cristo..

Isso mostra que este arquiteto de Campânia (Região sul da Itália, na Costa do mar Tirreno, cuja capital é Nápoles) traz muita história sob sua correia.

Todos os mastins europeus descendem o Mastiff tibetano, o mais antigo representante das raças do cão.
Provavelmente os primeiros mastiffs asiáticos foram executados na Grécia àndia por Alexandre, o grande, por volta do ano 300 a.C.

Alguns historiadores afirmam que ele foi os gregos que eram conhecidos para os romanos, estes cães tão espetaculares, para vê-los é atingido e (para uma mudança) eles usaram em seus circos famosos como a luta de cães. O Mastim napolitano lutou com leões, ursos, Tigres, Ele foi também um cão de raça para a guerra.

De acordo com a cinofilia inglesa, Por outro lado, o mastim foi levado para a Britannia (termo designado para a ilha da Grã-Bretanha antes que ocorreram as invasões germânicas) pelos fenà­cios no ano 500 -. C. a partir desse momento a propagação por toda a Europa teria começado.

Além de divergências quanto à  difusão da raça você pode garantir, em seguida, que o “Mastim napolitano” viveu na Campânia por pelo menos dois mil anos, Embora sua primeira aparição oficial nos dados do cinophilia 1946 e seu padrão oficial foi aprovada no ano 1949.

Durante o curso da Segunda Guerra Mundial, a corrida estava à  beira da extinção, mas foi recuperada por um escritor e chamada cinólogo Piero Scanziani que, entre 1941 e 1980 publicou uma dúzia de volumes de ficção e não-ficção, incluindo vários tratados de Cinologia. Ele foi o responsável pela reconstrução do Mastim napolitano durante o perà­odo pós-guerra, e fê-lo de algumas cópias restantes.

Características físicas

O Mastino Napoletano impressiona mesmo à distância com seu físico impressionante. Especialmente a cabeça enorme se destaca. É uma típica cabeça molossóide, mas ele tem lábios carnudos particularmente pronunciados. Sua expressão facial é fria e relaxada, sua impressão geral é impressionante. Sua pelagem é curta e lisa.

A criação moderna deu ao Mastino Napoletano um excesso de pele solta, que beira a tortura da ninhada. Apenas por razões de bem-estar animal, é preciso garantir que a pele esteja esticada e que não haja muitas rugas e dobras. Apenas pequenas rugas devem ser permitidas na área do pescoço e na barbela.. Especialmente a cabeça cresceu uma superabundância de pele e rugas nas últimas décadas, em parte tão extrema que os cães mal conseguem ver devido a todas as rugas. O que mais, rugas graves são um tesouro para infecções e coceira.

Segundo ele norma oficial da raça dos machos de Mastim napolitano Eles devem ser mensurados de 66 - 72 cm na Cruz e seu peso é de 70 kg, os machos podem chegar facilmente até 90 kg, as fêmeas devem ser medidas em 60 - 68 cm. O peso dos homens do 60 - 70 Kg e as fêmeas de 50 - 60 kg.

O cabeça é enorme e curto, o crânio arredondado e achatado entre as orelhas. Tem o focinho reto, uma trufa grande e lábios gorduras ele cair pesadamente.

Tem a olhos bem separados e o acúmulo de pele parece eles foram oval em forma, mas na realidade são redondos. As orelhas são triangulares, inserção de média e alta.

O corpo, em geral, É mais do que altos com a pescoço bem maciço e o Papa e o grupa amplo. A cauda é amputados dois terços do seu comprimento.

O cores favoritas eles são o chumbo, o cinza e preto (à s vezes com pequenas manchas brancas no peito e a ponta dos dedos), o gamo, mogno, o gamo e o veado.

Todas as capas podem ser atigrados, mas a possibilidade de que um Mastim napolitano sai cor "tabby" é uma em um milhão.

Observações

Apesar de seu grande tamanho, não há necessidade de grandes espaços ser feliz, porque ele se move em breve. embora sim, É importante estabelecer uma rotina descontraída de caminhadas diárias que ajudem a manter os músculos tonificados.

Outra questão a destacar é que eles significativamente drool-worthy.

Caráter e habilidades

Apesar de seu aspecto rà­spido e até mesmo feroz, o Mastim napolitano ele é um cachorro tranquilo, equilibrado, doce, fiéis, muito afetuoso com o mestre e amigo das crianças.

Nunca se comporta agressivamente sem um motivo real, Mas se fosse para ter a resposta, pode ser terrível.

Sua temperamento é pacífico, mas podem se tornar agressivo caso seu proprietário não é capaz de educá-lo com sabedoria e responsabilidade.

Devido à  sua estrutura sólida que, seu movimento é pesado e desajeitado, mas aparência porque está consciente de seu tamanho e suficiente para vê-lo a interagir com as crianças para confirmar (desarma na delicadeza).

Tem sido cão de guerra, combater o circo, assistente de polícia, Arraste de trenó de cachorro, cão de companhia e defesa pessoal. Atualmente é treinado como guardião de casas e fazendas e é cada vez mais apreciado como cão de companhia..

Na verdade, é mais um cão de guarda do que um cão de companhia ou de exposição. Dos molosos promover o, Ele é o personagem mais silencioso.

Um Mastim napolitano educação séria é, por consequência, educado, um cachorro extremamente simples. Aqui e ali o gordo é um pouco teimoso. Somente se for bom convencer e pedir ajuda, então ele fará tudo por seu dono ou zelador. Como membro da famà­lia, é extremamente adorável. Ele procura a proximidade de seus humanos e é um protetor confiável.

Em caso de ameaça aguda para seus humanos, tentará manter o perigo longe deles encarando o atacante com seu corpo, mas não vai mais atacá-lo. Tudo isso silenciosamente. Latidos muito raramente. Seu temperamento calmo e sereno faz dele um companheiro leal e amigo da criança, quem perdoa tudo. Para estranhos, No entanto, está inicialmente esperando e assistindo. O Mastim napolitano ele é um cara legal e um cachorro fascinante.

Não é um cão fácil de manter apenas por causa de sua força. Por sua natureza, tem muito poucas demandas. Uma caminhada diária, à s vezes escovando o casaco, isso é tudo. Só a comida é um certo desafio em termos de quantidade e qualidade. Você não precisa de um grande jardim, mas um jardim já é útil. Um pequeno apartamento no enésimo andar não seria adequado. O Mastim napolitano ele é um ótimo parceiro, mas não é um companheiro para os corredores, atletas de cães ou viciados em desempenho.

Educação

Deve-se lembrar que em um Mastim napolitano adulto, a linha é apenas um controle simbólico. Cão grande facilmente tem o poder de manobrar a outra extremidade da trela à  vontade. Mas ele não quer, pelo menos se você gostou do básico de uma boa educação. O Mastim napolitano é muito fácil treinar. Apenas sua teimosia tem que ser quebrada aqui e ali com suavidade consistente.. Ele quer seguir seu mestre e amante e faz isso com muita confiança. É um dever elementar de um proprietário de Mastim napolitano preste atenção a uma educação consistente já no filhote. Porque apenas a educação e não a trela tornam possà­veis passeios maravilhosos na natureza, que junto com esse amigo calmo de quatro patas, eles se tornam um bálsamo para a alma de pessoas agitadas.

Cuidados e saúde “Mastim napolitano”

Cuidando de um Mastim napolitano raça saudável não é problemática. Escovar o casaco aqui e ali é o suficiente.

Mau hábito de dobrar extremamente forte a cabeça e o corpo geralmente leva à  inflamação crà´nica. Eles geralmente são uma fonte constante de coceira para cães.. Às vezes até dificulta a visão. Esses cães precisam de tempo e cuidados caros.

Nutrição “Mastim napolitano”

Você precisa de muita comida de alta qualidade. É útil ter uma tigela de alimentação elevada para neutralizar o risco de revirar o estômago. O peso deve sempre ser cuidadosamente considerado.

Esperança de vida “Mastim napolitano”

Erros de reprodução custaram a este cão, anteriormente robusto, muitos anos de sua expectativa de vida. Antes de serem 12, hoje eles são mais propensos a ser 6 - 9 anos. Contudo, dados exatos não disponà­veis.

compre um “Mastim napolitano”

A compra de um Mastim napolitano deve ser de longo prazo e bem considerado. Você deve verificar cuidadosamente se possui todos os requisitos para passar muitos anos maravilhosos junto com esse forte amigo.. Também financeiramente a atitude é um desafio. Se você está procurando um filhote de cachorro, você deve se certificar de que os cães não sejam muito grandes e enrugados. Você deve perguntar sobre os antepassados, sua aparência, suas doenças, sua idade. Para obter um Mastim napolitano caráter sólido, você deve apenas olhar diretamente para um criador sério. Por razões de bem-estar animal, você deve evitar comprar filhotes de pais com rugas graves. Um cãozinho Mastim napolitano de um bom criador custa cerca de 2.500 EUR.

Classificações do "Mastim napolitano"

Coexistência é importante que você tem com seu novo amigo. Plantearte antes de adquirir uma raça de cão "Mastim napolitano" você sabe alguns fatores. Nem todas as raças de cães são capazes de viver em um apartamento, Você deve levar em conta a sua qualidade, sua necessidade de exercà­cio, sua interação com outros animais de estimação, seu cuidado e se você tiver crianças pequenas, o seu nà­vel de tolerância para com eles.

Adaptação ⓘ

2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Cão amigável ⓘ

1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Perda de pêlo ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Nível de afeto ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Necessidade de exercício ⓘ

2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Necessidade social ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Casa ⓘ

2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Cuidado ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Amigável com estranhos ⓘ

1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Latindo ⓘ

2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Saúde ⓘ

5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Territorial ⓘ

5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Amigo dos gatos ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Inteligência ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Versatilidade ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Adequado para crianças ⓘ

3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Vigilância ⓘ

2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Alegria ⓘ

5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

Imagens “Mastim napolitano”

Vídeos “Mastim napolitano”

Tipo e reconhecimentos:

  • CLASSIFICAÇÃO FCI:
  • Grupo :
  • Seção : . .

Federações:

  • FCI – Cães do tipo Pinscher e Schnauzer-Molossoide – Cães de Montanha e Boieiros Suiços. Seção 2.1 Molossóides, Tipo Mastife.
  • AKC – Cães trabalhando
  • ANKC – Grupo 6 (cães utilitários)
  • CKC – cães de trabalho
  • KC – cães de trabalho
  • NZKC – Cão utilitário
  • UKC – Cão de guarda

Padrão da raça FCI "Mastim napolitano"

Origem:
Itália

Data de publicação do padrão original válido:
13.11.2015

Uso:

Proteção e vigilância.



Aparência geral:

Cachorro Grande, pesado e sólido com aparência de alto volume. O comprimento do tronco excede sua altura na cernelha.

PROPORà‡à•ES IMPORTANTES: O comprimento do corpo é um 15% mais do que a altura na cernelha.

  • A proporção crânio-focinho é 2 - 1.
  • O comprimento da cabeça é aproximadamente 3,8 / 10 a altura na cernelha.
  • O pescoço é bastante curto.
  • A circunferência do peito é larga.


  • Comportamento / temperamento:

    Firme e leal, não é agressivo. Cão de guarda da propriedade e seus habitantes, sempre vigilantes, Inteligente, nobre e majestoso.

    Cabeça:

    Curto e maciço, com o crânio largo ao nà­vel dos arcos zigomáticos. A pele é abundante e tem rugas e dobras, dos quais a parte mais acentuada e característica do ângulo palpebral externo para descer até o ângulo labial. Os eixos longitudinais superiores do crânio e do focinho são paralelos.

    Região craniana:
    • Crânio: O crânio é largo e achatado, particularmente entre as orelhas, visto de frente, é ligeiramente convexo na frente. Os arcos zigomáticos são muito proeminentes, mas com músculos planos. As saliências dos ossos frontais são bem desenvolvidas; a ranhura da frente está marcada; crista occipital é pouco visà­vel.
    • Stop: bem definido.

    Região facial:

    • Trufa: Localizado no prolongamento da cavidade nasal, não deve sobressair da linha vertical anterior dos lábios; deve ser volumoso e as narinas grandes devem estar bem abertas. A cor é de acordo com a cor da pele: preto para espécimes pretos, cinza escuro em cães de outras cores, e a castanha para cães marrons.
    • Focinho: Muito amplo e profundo; sua largura é aproximadamente igual ao comprimento. O comprimento deve ser igual a um terço do comprimento da cabeça. Os lados são paralelos para que, visto de frente, a forma do focinho é praticamente quadrada. A profundidade do focinho é aproximadamente o dobro do seu comprimento.
    • Lábios: carnudo, grosso e cheio. O lábio superior, visto de frente, forma um "V" invertido em seu ponto de junção. O perfil lateral inferior do focinho é determinado pelos lábios superiores, sua parte inferior é o canto dos lábios, com mucosa visà­vel, localizado verticalmente a partir do canto externo do olho.
    • mandíbulas / Dentes: Poderoso com mandíbulas fortes e arcos dentários que se encaixam perfeitamente. A mandíbula inferior deve ser bem desenvolvida em largura. Dentes brancos bem desenvolvidos, regularmente alinhados e completos em número. Bite em tesoura, isto é, os incisivos superiores se sobrepõem aos incisivos inferiores em contato próximo, implantado na vertical das mandíbulas; ou mordida em pinça, isto é, os incisivos superiores são unidos ponta a ponta com os incisivos inferiores. A borda externa dos incisivos superiores deve estar em contato próximo com a borda interna dos incisivos inferiores.. Uma mordida em tesoura invertida é tolerada.

    OLHOS: bem separado no mesmo nà­vel frontal; forma bastante redonda, mas nunca saliente ou muito profundo. A cor da à­ris é geralmente mais escura que a cor do revestimento, exceto em tons de tons diluà­dos em que a cor dos olhos é mais clara. A pele nunca se dobra para interferir nos olhos.

    ORELHAS: Pequeno, em relação ao tamanho do cachorro, forma triangular, localizado acima do arco zigomático, plana e colada à s bochechas. Orelhas são naturais.

    Pescoço:

    O perfil superior é levemente convexo. Porta-malas bastante curto e cà´nico, bom muscular. O perfil da parte inferior do pescoço é bem coberto de pêlos soltos que formam um queixo duplo bem separado, mas não exagerado. O queixo duplo começa no nível do maxilar inferior e não chega abaixo do meio do pescoço.

    Corpo:

    O comprimento do tronco excede em 15% a altura na cernelha.

    • linha superior: A linha superior das costas é reta. Cruz: É largo, longo e não muito proeminente.
    • Voltar: Largura e comprimento aproximadamente 1/3 a altura na cernelha. A região lombar muscular e bem desenvolvida em sua largura deve estar harmoniosamente conectada com as costas.
    • Lombo de porco: Largura, forte e musculoso. Os ossos do quadril são proeminentes quando atingem a linha lombar superior.. No peito: Grande, com músculos peitorais bem desenvolvidos. A caixa torácica é larga, com costelas longas e bem arqueadas. A circunferência do peito é larga. A ponta do esterno está no nà­vel da ponta do ombro.

    Cola:

    É largo e grosso na raiz; forte, afilando levemente em direção à  ponta. Seu comprimento atinge a articulação do jarrete. Em repouso, carrega-o pendurado e curvado na forma de um sabre, em ação levantada horizontalmente ou apenas ligeiramente acima da linha superior.

    Extremidades

    MEMBROS ANTERIORES:

    • Aparência geral: Membros anteriores, do chão até a ponta do cotovelo, visto de perfil e de frente, são verticais com uma estrutura óssea forte, proporcional ao tamanho do cão.
    • Ombro: Longo e bem inclinado, os músculos são bem desenvolvidos, longo e bem definido.
    • Brazos: Bem angulado à  omoplata e com significativa musculatura.
    • Cotovelos: Eles devem ser paralelos ao plano mediano do corpo, Eu quero dizer, nem vire para dentro nem para fora.
    • Antebraço: Seu comprimento é quase igual ao comprimento do braço. Colocado em uma posição vertical perfeita. Estrutura óssea forte com músculos magros e bem desenvolvidos.
    • Carpo: Largura, magro e sem nós, segue a linha vertical do antebraço.
    • Metacarpo: Continue a linha vertical do antebraço. Angulação e comprimento moderado.
    • Pés anteriores: De forma redonda, grande, dedos bem arqueados e bem unidos. As almofadas são duras e bem pigmentadas. As unhas são fortes, cor curvada e escura.

    MEMBROS POSTERIORES:

    • Aparência geral: Eles devem ser poderosos e robustos, proporcional ao tamanho do cão e capaz de dar a propulsão necessária durante o movimento.
    • Coxa: Seu comprimento é 1/3 da altura à  cruz e sua obliquidade é de cerca de 60 °. Largo com músculos grossos, proeminente e claramente marcado. Osso da coxa e osso do quadril (fêmur e coxal) eles formam um ângulo de 90 °.
    • Joelho: O ângulo femoro-tibial é de cerca de 110 ° -115 °.
    • Perna: O comprimento é ligeiramente menor que o da coxa e de uma obliquidade de 50 ° -55 °, com uma estrutura óssea forte e músculos bem visíveis.
    • Jarrete: A articulação tà­bio-tarso forma um ângulo de 140 ° – 145 °.
    • Metatarso: Forte e magro, forma quase cilíndrica, perfeitamente reto e paralelo e bastante baixo.
    • Pés de volta: Menor que os anteriores, redondo com dedos bem unidos. Almofadas secas, duro e pigmentado. As unhas são fortes, cor curvada e escura.

    Movimento:

    É uma característica típica da raça. Movimento é do tipo felino, como os passos de um leão. É lento e também se assemelha ao de um urso. A corrida é caracterizada por um forte empurrão por trás e uma boa extensão da frente. O cão raramente galopa; a marcha habitual é caminhar e correr. A ambição é tolerada.

    Manto

    PELE: Bruto, abundante e solto por todo o corpo, especialmente na cabeça, onde forma numerosas dobras e rugas, e na parte inferior do pescoço, onde forma uma barbela dupla. Nunca em abundância para interferir com a saúde e o bem-estar dos cães.

    Pelo: curto, duro e espesso, o mesmo comprimento em todo lugar. Comprimento uniforme de 1,5 cm máximo. Não deve mostrar qualquer vestígio de cabelo comprido.

    Cor: As cores cinza são preferidas, cinza chumbo e preto, embora também marrom, rosa avermelhada e avermelhada, que à s vezes têm pequenas manchas brancas no peitoril e na ponta dos dedos. Todas as cores podem ser tigradas. Tons de avelã aceitos, gris suave e isabela.



    Tamanho e peso:

    Altura à  Cruz:

    • Machos: 65-75 cm.
    • fêmeas: 60-68 cm.

    Peso:

    • Machos: 60-70 kg.
    • fêmeas: 50-60 kg.


    Falhas:

    Qualquer desvio dos critérios acima é considerado faltando e a gravidade é considerada o grau de desvio do padrão e seu impacto sobre a saúde e o bem-estar do cão.

    FALTAS GRAVES:

  • Tiro pronunciado.
  • Tamanho da cauda muito alto.
  • Tamanho maior ou menor que os limites permitidos.
  • FALHAS DE DESCALIFICANTES:

  • Agressividade ou extrema timidez.
  • Qualquer cão que mostre sinais claros de anormalidades físicas ou comportamentais.
  • Convergência ou divergência acentuada dos eixos crânio-faciais.
  • Linha superior do focinho côncava ou convexa ou muito aquilina (nariz romano).
  • Despigmentação total do trua.
  • Prognatismo superior.
  • Entrópio / ectrópio.
  • Olhos gazeos, despigmentação total de ambas as bordas das pálpebras; estrabismo.
  • Ausência de rugas, vincos e queixo duplo.
  • Ausência de cola congênita ou artificial.
  • Extensas manchas brancas; marcas brancas na cabeça.


  • N.B.:
  • Os machos devem ter dois testículos de aparência normal totalmente descidos no escroto..
  • Apenas cães funcional e clinicamente saudáveis, com a conformação típica da raça, deve ser usado para criação
  • TRADUÇÃO: Senhorita. Brígida Nestler. Idioma oficial: IN.

    Direção técnica: SR. Miguel Ángel Martinez.

    Fonte: F.C.I - Federação Cinológica Internacional

    Nomes alternativos:

    1. Mastino Napoletano Italian (inglês).
    2. Mâtin de Naples, Napolitain (Francês).
    3. Neapolitanischer Mastiff (alemão).
    4. Mastino napoletano, Neapolitan mastiff (português).
    5. Mastín napolitano (espanhol).

    ▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

    Shar-Pei
    China FCI 309 - Molossóides - Dogue

    Shar Pei

    O Shar-Pei ele é carinhoso com seu dono; ele é bastante reservado com estranhos.

    Conteúdo

    História

    Cães como raça Shar-Pei existem no sul da China há séculos, talvez da dinastia Han por volta 200 AC. Arqueólogos encontraram estátuas desse período mostrando um cachorro semelhante ao Shar-Pei.. Evidências posteriores incluem um documento do século XIII referente a um cão enrugado.

    O primeiro Shar-Pei eles eram cães de fazenda e trabalhadores. Eles vigiavam a propriedade e o gado, eles caçavam e pastoreavam rebanhos. O Shar-Pei era um guardião da casa, caso contrário, também. Sua là­ngua roxa, compartilhado com outra raça, o Chow Chow, e acreditava-se que sua pele enrugada afastava os maus espíritos. Além de trabalhar cães, o Shar-Pei cães de luta também eram populares. Seu pêlo solto e áspero dificultavam o outro cão segurá-los..

    A vida sempre foi difà­cil na China, mas para o Shar-Pei tornou-se muito perigoso após a tomada comunista no inà­cio do século 20. Na República Popular da China, Os cães eram um símbolo de um passado decadente e foram praticamente eliminados na década de 1990. 1950. Apenas alguns permaneceram nas áreas rurais, assim como em Hong Kong (ainda sob domínio britânico na época) e em Taiwan, mais alguns que haviam sido exportados para os Estados Unidos em 1966.

    Em 1973, um criador de Hong Kong chamado Matgo Law apelou aos aficionados por cães ocidentais para ajudar a salvar a raça, estava à  beira da extinção. Os cães enrugados incomuns despertaram um interesse entusiasmado pelos americanos e rapidamente se tornaram “o” deve ter cachorro. O Shar-Pei foram totalmente reconhecidos pelo American Kennel Club em 1992. Após essa primeira explosão de popularidade, alcançaram um nà­vel moderado de interesse, eles estão atualmente na posição 50, abaixo do post 37 uma década.

    Características físicas

    É um cão robusto, sólido, compacto, de pêlo curto. A cabeça é grande em proporção ao corpo.. O crânio é largo e achatado, e o ⓘparar, muito pouco pronunciado. A testa e a região orbital são cobertas com rugas abundantes e finas que se estendem para baixo, formando ; os olhos são pequenos, afundado, cor preta ou marrom em espécimes bege. Orelhas são muito pequenas, Triângulo Equilátero, e inserção alta e voltada para a frente, acima dos olhos. A pele forma dobras por todo o corpo, que é uma peculiaridade da raça. A cauda é inserida alta e seu porte em forma de tronco acima do dorso é característico., sem tocá-lo.

    • Pelo: espessura, muito curto e reto, com uma dureza muito visà­vel.
    • Cor: Preto, Castanho, leonado, bege e creme.
    • Tamanho: 40 – 51 cm.

    A linha chinesa apresenta menos rugas que a americana. As fêmeas são menores em tamanho que os machos.

    Caráter e habilidades

    O Shar-Pei ele é um esnobe. Ele é naturalmente reservado com pessoas que não conhece e permanece distante quando são apresentados. É necessária uma extensa socialização em tenra idade para impedir que ela se torne territorial ou agressiva demais. Somente os membros da famà­lia recebem a devoção esmagadora deste cão independente., alerta e inteligente que assiste o mundo passar de uma maneira calma e digna.

    Um Shar-Pei está quieto em casa. É um cão de guarda notável e raramente late, a menos que esteja jogando. Se eles ouvirem, você deve ir e ver o que chamou sua atenção. Uma caminhada curta e rápida atende à s suas necessidades de exercà­cios.

    É um cão forte e confiante que aprende rápido, então não adie o treino. O Shar-Pei é independente e obstinado. Seja firme, mas nunca duro ou físico com ele.. Ensine-o desde o inà­cio a aceitar procedimentos de limpeza, como aparar unhas, limpar as orelhas e escovar os dentes. Você nunca te quer Shar-Pei aprenda que você pode ser fisicamente intimidado para interromper esses procedimentos.

    como a maioria dos cachorros, ao Shar-Pei Ele não gosta de tocar seus pés e não gosta de cortar as unhas. Isso também se aplica a outros procedimentos..

    O Shar-Pei é um cão de guarda que caçou e brigou com outros cães. para a maioria de Shar-Pei Eles não gostam da companhia de outros cães., e são facilmente excitados pela agressão. Um pátio cercado com segurança impedirá que você entre em conflito com outros cães ou tente expandir seu território para incluir todo o quarteirão..

    Comece a treinar seu cachorro no dia em que o trouxer para casa. Mesmo a oito semanas de idade, Ele é capaz de absorver tudo o que você pode ensiná-lo. Não espere até que você tenha 6 meses para começar trem ou ter de lidar com o cão mais teimoso. Sim é possà­vel, Leve-a a um treinador quando você tem entre 10 e 12 semanas, e socializa, socialice, socialice. Contudo, Note-se que muitos tipos de filhotes de formação exigem certas vacinas (tais como tosse do canil) mantenha-se atualizado, e muitos veterinários recomendam exposição limitada a outros cães e locais públicos até a vacinação dos filhotes (incluindo a raiva, cinomose e parvovirose) Eles são concluà­das. Em vez de treinamento formal, Você pode começar a treinar o seu cachorro para socializar em casa e entre amigos e familiares até imunizações são concluà­das no filhote de cachorro.

    Fale com o criador, Descrever exatamente o que você quer em um cão e pedir ajuda para escolher um filhote de cachorro. Os criadores veem os filhotes diariamente e podem fazer recomendações incrivelmente precisas assim que aprenderem um pouco sobre seu estilo de vida e personalidade.. O que você quiser de um Shar-Pei, procure alguém cujos pais tenham boas personalidades e que sejam socializados desde a tenra idade do filhote.

    Saúde do “Shar-Pei”

    Todos os cães têm o potencial de desenvolver problemas de saúde genéticos, assim como todas as pessoas têm o potencial de herdar uma determinada doença. Corra, não ande, de qualquer criador que não oferece garantia de saúde em filhotes, para dizer que a raça é 100 problemas por cento saudável e não tem conhecido, ou para lhe dizer que seus filhotes estão isolados da parte principal da casa por motivos de saúde. Um criador respeitável será honesto e aberto sobre os problemas de saúde da raça e a incidência com que ocorrem em suas linhagens..

    O Shar-Pei tem muitos problemas de saúde, e seus donos podem desenvolver um relacionamento próximo com seu veterinário. As preocupações incluem displasia da anca e cotovelo; luxação da rótula; Hipotireoidismo; problemas oculares, como entropia, displasia da retina e glaucoma, alergias e infecções das dobras da pele.

    Um problema único é uma doença chamada febre c, uma condição na qual o cão experimenta febres periódicas e suas articulações do jarrete incham. Os sinais de acompanhamento podem incluir letargia, và´mito, diarréia e respiração superficial.

    Nem todas essas condições são detectáveis ​​em um cachorro em crescimento, e é impossà­vel prever se um animal estará livre de estas doenças, portanto, você deve encontrar um criador respeitável comprometido em criar os animais mais saudáveis ​​possà­veis.. Deve ser capaz de produzir uma certificação independente de que os pais do cão (e avós, etc.) foram examinados para defeitos comuns e considerados saudáveis ​​para reprodução. É aí que entram os registros de saúde..

    Criadores cuidadosos examinam seus cães de criação para doenças genéticas e criam apenas os espécimes mais saudáveis e mais bonitos., mas às vezes a mãe natureza tem outras ideias e um filhote desenvolve uma dessas doenças apesar das boas práticas de manejo. Os avanços na medicina veterinária significam que, na maioria dos casos, os cães ainda podem viver uma boa vida. Se você vai ter um filhote, pergunte ao criador sobre as idades dos cães em suas linhas e do que eles morreram.

    Lembre-se que depois de receber um novo filhote em sua casa, Ele tem o poder de proteger um dos problemas mais comuns de saúde: a obesidade. Manter um Shar-Pei com peso adequado é uma das maneiras mais fáceis de prolongar sua vida. Aproveitar ao máximo suas habilidades preventivas para ajudar a garantir um cão mais saudável para a vida.

    Cuidado com o “Shar-Pei”

    Os requisitos de higiene dependem de cada Shar-Pei. A escovação semanal pode atender à s necessidades da variedade de “Pelo curto” como o tipo “escovado” (um pouco maior), mas alguns Shar-Pei de qualquer tipo pode ser propenso a problemas de pele. Cães com problemas de pele podem precisar de um banho semanal e escovação diária.

    Todos os Shar-Pei precisa de cuidados regulares com rugas. As rugas devem ser limpas com um pano úmido e depois secas completamente para evitar infecções.. Não olhe a pele.

    O Shar-Pei eles têm orelhas pequenas, estreitos e triangulares que os predispõem a problemas crônicos de ouvido porque não há ar suficiente circulando no canal auditivo estreito. Embora não seja tão fácil limpar os ouvidos de um Shar-Pei como é para a maioria das corridas, limpeza regular deve ser feita para ajudar a prevenir leveduras recorrentes ou infecções bacterianas.

    Banhe o seu cão como quiser ou apenas quando estiver sujo. Com os shampoos suaves para cães disponíveis agora, pode banhar um Shar-Peisemanalmente, se desejar, sem danificar o casaco.

    O resto são cuidados básicos. Aparar pregos conforme necessário, geralmente a cada poucas semanas. Escove os dentes para uma boa saúde geral e hálito fresco.

    Classificações do "Shar-Pei"

    Coexistência é importante que você tem com seu novo amigo. Plantearte antes de adquirir uma raça de cão "Shar-Pei" você sabe alguns fatores. Nem todas as raças de cães são capazes de viver em um apartamento, Você deve levar em conta a sua qualidade, sua necessidade de exercà­cio, sua interação com outros animais de estimação, seu cuidado e se você tiver crianças pequenas, o seu nà­vel de tolerância para com eles.

    Adaptação ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cão amigável ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Perda de pêlo ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Nível de afeto ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade de exercício ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade social ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Casa ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cuidado ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigável com estranhos ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Latindo ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Saúde ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Territorial ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigo dos gatos ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Inteligência ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Versatilidade ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Adequado para crianças ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Vigilância ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Alegria ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Imagens do "Shar-Pei"

    Fotos:

    1 – Esta é uma foto tà­pica de uma boca de osso tradicional Shar-Pei. CH Dali Pinky, Campeão do Kennel Club de Hong Kong por Nenhum autor legà­vel por máquina fornecido. Inuyasya1106 assumiu (com base em reivindicações de direitos autorais). / Domínio público
    2 – Shar_Pei_female_of_7_months._Chinese_line por Mcarrillo / CC BY-SA
    3 – Shar Pei por https://pxhere.com/es/photo/1267570
    4 – Shar Pei por https://pxhere.com/es/photo/1169173

    Và­deos do "Shar-Pei"

    Tipo e reconhecimentos:

    • CLASSIFICAÇÃO FCI:
    • Grupo :
    • Seção : . .

    Federações:

    • FCI – Cães do tipo Pinscher e Schnauzer-Molossoide – Cães de Montanha e Boieiros Suiços. Seção 2.1 Molossóides, Tipo Mastife.
    • AKC – Não esportivo
    • ANKC – Grupo 7 (não esportes)
    • CKC – Grupo 6 – Não esportivo
    • KC – Cão utilitário
    • NZKC – Não esportivo
    • UKC – Raça do norte

    Padrão da raça FCI "Shar-Pei"

    Origem:
    China

    Data de publicação do padrão original válido:
    14.04.1999

    Uso:

    Cão de caça e guardião.



    Aparência geral:

    Este é um cão de tamanho médio, ativo, compacto, Praça, lombo curto. Rugas do crânio e cruz, suas orelhas pequenas e focinho de ²hipopótamo² lhe conferem uma aparência única. Os machos são mais robustos que as fêmeas.

    PROPORà‡à•ES IMPORTANTES: alturaShar-Pei, da cruz para o chão, é aproximadamente igual ao comprimento do corpo, da ponta do ombro até a ponta da nádega, especialmente em machos.

    O comprimento do nariz na depressão naso-frontal é aproximadamente igual ao da depressão naso-frontal no occipital.



    Comportamento / temperamento:

    Este é um animal calmo, independente, leal e carinhoso com sua famà­lia.

    Cabeça:

    É bastante grande, proporcionalmente ao corpo. Rugas que se formam na testa e bochechas se estendem para baixo para formar o queixo duplo..

    Região craniana:
    • Crânio: Apartamento e espaçoso.
    • Nasofrontal depression (Stop): Moderado.

    Região facial:

    • Trufa: É ótimo, largo, preferência preta, mas qualquer outra cor que se harmonize com a cor da pelagem é permitida. As narinas estão bem abertas.
    • Focinho: É característico da raça. Largura, da raiz até a ponta do nariz, nenhum sinal de declà­nio. Os lábios e a parte superior do focinho estão muito cheios. É permitida a presença de uma protuberância no nariz.
    • Boca: A lingua, o paladar, gengivas e lábios de preferência preto-azulados. Là­ngua manchada rosa permitida. Là­ngua rosa sólida é considerada altamente inapropriada. Em cães com pêlo colorido diluà­do, a là­ngua é lavanda sólida.
    • mandíbulas / Dentes: mandíbulas são fortes, com uma junta de tesoura perfeita (os incisivos superiores se sobrepõem aos inferiores em contato próximo e estão em ângulos retos com os maxilares). A carnuda do lábio inferior não deve ser excessiva a ponto de interferir na função dos maxilares..

    OLHOS: São escuros, olhar amendoado e carrancudo. Cor mais clara é permitida em cães com pelagem diluà­da. Nem a pele ao redor dos olhos, nem as dobras, nem o cabelo, deve impedir o funcionamento normal do globo ocular ou da pálpebra. Qualquer indicação de irritação do globo ocular, a conjuntiva ou as pálpebras é considerada altamente indesejável. Não deve haver presença de entrópio.

    ORELHAS: Muito pequeno, bastante grosso, de forma equilateralmente triangular. As pontas são ligeiramente arredondadas. Implementação de alta, com as pontas apontadas para os olhos. Presente bem à  frente sobre os olhos; eles estão bem separados e bem presos ao crânio. Orelhas eretas são altamente indesejáveis.

    Pescoço:

    Comprimento médio, forte, bem implantado nos ombros. A pele frouxa sob o pescoço não deve ser excessiva.

    Corpo:

    A presença de dobras cutâneas no corpo de cães adultos é considerada altamente indesejável, exceto na cruz e na cauda, onde as dobras devem ser moderadas.

    • linha superior: Desça ligeiramente atrás da cruz, então ele se levanta um pouco de costas.
    • Voltar: curto e forte.
    • Lombo de porco: Curta, Largura, ligeiramente arqueado.
    • Alcatra: Bastante plana.
    • No peito: Largo e profundo; a região do esterno atinge o cotovelo. linha de fundo: Sobe ligeiramente abaixo das costas.

    Cola:

    Grosso e redondo na base; gradualmente fina até um ponto fino. Bem estabelecido, uma característica distintiva da raça. Pode ser alto e curvado, transportado em uma onda fechada, curvado ou caindo para um lado ou outro das costas. A ausência de cauda ou a cauda cortada são altamente indesejáveis.

    Extremidades

    MEMBROS ANTERIORES: Direto, de comprimento moderado, para ossos fortes. Não há presença de rugas nos membros anteriores.

    • Ombro: Muscular, bem estabelecido e inclinado.
    • Metacarpo: Ligeiramente inclinado, forte, flexà­vel.
    • Pés anteriores: Tamanho moderado, compactar; eles não são esmagados.
      Os dedos têm juntas fortes. Não há presença de esporas nas patas traseiras.

    MEMBROS POSTERIORES: Eles são musculosos, forte, moderadamente angulados. Visto de trás, Eles são perpendiculares ao solo e paralelos entre si.. A presença de rugas nas coxas, as pernas, os metatarsos, bem como uma pele grossa nos jarretes são indesejáveis.

    • Jarretes: Muito baixo.
    • Pés de volta: Tamanho moderado, compactar; eles não são esmagados. Os dedos têm juntas fortes. Não há presença de esporas nas patas traseiras.

    Movimento:

    Jogging é o movimento favorito. É livre, ágil, equilibrado, com boa amplitude nos membros anteriores e forte momento dos membros posteriores. Quando o cão aumenta a velocidade, pés tendem a convergir em uma linha central. Andar sobre palafitas é indesejável.

    Manto

    • Pelo: É uma característica distintiva da raça: Pelo curto, resistente e porquinho. No porta-malas, o casaco é reto e separado, mas nas extremidades é mais preso. Não há nenhuma presença de uma camada interna de pêlos. O comprimento do cabelo pode variar entre 1 - 2,5 cm. Nunca deve ser aparado.
    • Cor: Todas as cores sólidas, exceto para o branco, são aceitos. A cauda e a parte de trás das coxas geralmente são mais claras. É permitido sombreamento mais escuro nas costas e nas orelhas.


    Tamanho e peso:

    • Altura à  Cruz: 44 - 51 cm (17,5 - 20 polegadas).


    Falhas:

    Qualquer desvio dos critérios acima é considerado faltando e a gravidade é considerada o grau de desvio do padrão e seu impacto sobre a saúde e o bem-estar do cão.

    FALTAS GRAVES:

    • Articulação não apresentada em forma de tesoura (como medida transitória, prognatismo superior muito leve é ​​permitido).
    • Focinho pontudo.
    • Manchas na là­ngua (exceto manchas rosa).
    • Orelhas grandes.
    • Cauda inserida baixa.
    • pele sobre 2,5 cm.

    FALHAS DE DESCALIFICANTES:

    • Agressividade ou extrema timidez.
    • Qualquer cão que mostre sinais claros de anormalidades físicas ou comportamentais.
    • Frente de cabeça chata, com prognatismo mais pronunciado; prognatismo inferior.
    • Là­ngua rosa sólida.
    • Lábio inferior dobrado interno, evitando a mordida.
    • Olhos redondos e esbugalhados; entrópio ou ectrópio.
    • Pele, dobras ou cabelo que impedem a função normal dos olhos.
    • Orelhas eretas.
    • Ausência de cauda ou cauda curta nascimento.
    • Presença de dobras grossas da pele no tronco e nas extremidades (exceto na cruz e na cauda).
    • Cor não sólida (albino, distribuà­dos, com remendos, mosqueado, preto e cor de fogo, coloração em forma de cadeira).

    EMBARGO: Qualquer alteração física artificial feita noShar-Pei (especialmente nos lábios e pálpebras) eliminar o cão da competição.



    N.B.:
    • Os machos devem ter dois testículos de aparência normal totalmente descidos no escroto..
    • Apenas cães funcional e clinicamente saudáveis, com a conformação típica da raça, deve ser usado para reprodução.

      TRADUÇÃO: IRIS Carrillo (Federação de Porto Rico). Idioma oficial: IN.
      revisão: SR. Jorge Nallem.

    Fonte: F.C.I - Federação Cinológica Internacional

    Nomes alternativos:

    1. Cantonese Shar-Pei (inglês).
    2. Shar-peï, sharpeï (Francês).
    3. Shar-Pei (alemão).
    4. Shar-pei (português).
    5. Sharpei (espanhol).

    ▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

    Mastiff tibetano (Mastiff tibetano)
    Tíbet FCI 230 - Molossóides . Montanha


    Mastín Tibetano

    O Mastiff tibetano Não é um cão para conviver com crianças.

    Conteúdo

    Classificações do "Mastiff tibetano (Mastiff tibetano)"

    Coexistência é importante que você tem com seu novo amigo. Plantearte antes de adquirir uma raça de cão "Mastiff tibetano (Mastiff tibetano)" você sabe alguns fatores. Nem todas as raças de cães são capazes de viver em um apartamento, Você deve levar em conta a sua qualidade, sua necessidade de exercà­cio, sua interação com outros animais de estimação, seu cuidado e se você tiver crianças pequenas, o seu nà­vel de tolerância para com eles.

    Adaptação ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cão amigável ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Perda de pêlo ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Nível de afeto ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade de exercício ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade social ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Casa ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cuidado ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigável com estranhos ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Latindo ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Saúde ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Territorial ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigo dos gatos ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Inteligência ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Versatilidade ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Adequado para crianças ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Vigilância ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Alegria ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    História de “Mastiff tibetano”


    O Mastiff tibetano o Doge do Tibete (Do-Khy), é um cão nativo do Tibete, Ele apareceu para o ano 8000 -. C.

    O “Mastin Tibetano” É uma raça antiga do trabalho dos pastores do Himalaia e um guardião tradicional de mosteiros tibetanos. Sua história tem sido cercada por grande misticismo desde que foi descoberta em tempos antigos.. Desde sua menção por Aristóteles (384 – 322 -. C.) no famosos escritos de Marco Polo, quem foi para a àsia em 1271, todos os relatórios históricos louvam a força natural e a grandeza do Doge do Tibete, física e mentalmente.

    Até seu latido Tem sido descrito como único e como uma característica da raça altamente preciosa.

    Os excelentes cinófilos europeus do passado, como Martin e Youatt, Megnin, Beckmann, Siber, bem como Strebel, Bylandt investigou intensamente o Mastiff tibetano, sendo fascinado com sua origem e papel para a Cultura tibetana.

    Um dos primeiros cães tibetanos a chegar às costas ocidentais foi um espécime masculino enviado à Rainha Vitória por Lorde Hardinge. (em que vice-rei de tempo da àndia) em 1847. Mais tarde no 1880 Edward VII (então príncipe de Gales), tomou 2 cães retornam à  Inglaterra. Um dos primeiros registros de maca dos Doges tibetanos foi em 1898, Nascido no Zoológico de Berlim.

    Considerada como a corrida levou todas as corridas de montanha grande e todos os mastiffs.

    De acordo com testemunhos que remontam a 2.000 anos antes de Cristo, o Mastiff tibetano foi usado pelos assírios como um cão de guerra e para a custódia dos prisioneiros..

    Ele ainda aparece com a mesma aparência que nos bas-relevos babilônicos, Egà­pcios e gregos, mostrando assim a grande difusão em tempos muito antigos.

    As conquistas romanas e invasões de povos asiáticos, Ele espalhou-se rapidamente para a bacia do Mediterrâneo dando origem a todas as corridas da Molóssia europeus, muitos de pastor e outro salvamento como o São-bernardo, o Terra-nova e o Cão de montanha dos Pirenéus.

    Características Mastiff tibetano

    Vídeos "Mastiff tibetano (Mastiff tibetano)"

    mastin tibetano

    Mastín tibetano

    Mastin Tibetano

    É um cão companheiro, Guarda e proteção; lento para amadurecer, fêmeas só chegar a seu apogeu entre 2 e 3 anos e os homens, pelo menos, a 4 anos.

    É um cão poderoso, pesados, estrutura óssea boa. Impressionante, aparência solene mas gentilmente.
    Eles têm o pés muito grande, forte e compacta. Eles têm a forma dos pés de gato com cabelos longos entre os dedos. Sua é forte, Free, sempre leve e elástico. Em caminhadas rápidas ele tende a aproximar os membros em uma linha média. Ao caminhar, Parece lento e cuidadoso.
    Os machos têm, nomeadamente, mais pelo que as fêmeas. A qualidade do cabelo é da maior importância do que a quantidade. Principalmente o cabelo deve ser bastante longo e denso.

    Quando o tempo está frio deve ter uma camada de cabelos, interno e espesso que torna-se escassas nos meses quentes.

    O cabelo é muito bem mas difà­cil, reta e aspereza. Nunca sedoso, curvas ou onduladas. O cabelo da camada interna, Quando ele tem, é bastante lanoso. O pescoço e ombros são cobertos com cabelo dando a aparência de uma juba. A cauda é coberta com cabelo denso e espesso. Parte superior traseira dos membros traseiros é franjas de formas bastante longos cabelos.

    Eles são de cor Preto intenso, English Toy Terrier, marrom, vários tons de ouro, cinza e azul; cinza e azul e fogo. A cor do fogo varia de uma tonalidade muito intensa para cores mais claras.

    Ele permite que uma estrela branca no peito. Manchas brancas mínimas são aceitáveis nos pés. Manchas de calor aparecem os olhos, nas extremidades inferiores, na parte inferior da cauda, ao redor do focinho e sob a forma de óculos de sol ao redor dos olhos.

    Personagem “Mastiff tibetano”

    Respeito ao temperamento, a corrida de que muitos peritos concordam que é um cão difícil na natureza ou complexo..., é distante, e demasiado independente a ponto de ser imprevisà­vel porque raramente deixa saber suas verdadeiras intenções.

    O Mastiff tibetano É um cão muito corajoso que não tem medo de nada, e que o torna em um excelente guardião.

    Sua famà­lia é muito amor e respeito, mas é completamente desconfiado com estranhos, e que pode levar a morder um estranho, por essa razão, normalmente não é um cão adequado para novatos... Desde, Se não tem formação adequada e responsável, Ele pode ser um perigo real.

    Por que a natureza peculiar e especialmente imprevisà­vel, estudiosos da corrida pose que não é um cão ideal para viver com crianças.

    É uma das raças de origem mais antigas e ainda é usada hoje na cadeia do Himalaia para a custódia de rebanhos e como guardiã de mosteiros..

    No exercà­cio desta função é segura e incorruptà­vel, feroz e perigosas com estranhos, como quase todas as raças que pode ser definida como “antigo” e cujo carácter foi obtido no decurso dos séculos.

    Pouco se espalhou fora da àsia, mesmo no mundo do cinophilia, É pouco frequente ver cópias desta corrida para participar na mostra internacional de cão.

    Observações

    Mesmo no Tibete está à beira da extinção devido às dificuldades envolvidas na criação de cães desse tamanho..

    O preço de um Mastin Tibetano actualmente varia entre 1500 e o 2000 EUR, Uns poucos 1700 e 2400 $.

    Na notà­cia, o reprodução do Mastiff tibetano se desenvolve quase exclusivamente em Inglaterra.

    Saúde “Mastiff tibetano”

    O Mastiff tibetano tem alguns problemas de saúde que podem ser preocupantes. Estes incluem displasia da anca e cotovelo, hipotireoidismo, a persistência das membranas pupilares (um distúrbio ocular) e desmielinização neuropatia herdada de caninos.

    Nem todas essas doenças são detectáveis ​​em um filhote em crescimento, e pode ser difícil prever se um animal estará livre dessas doenças., então você deve encontrar um criador de confiança comprometido em criar os animais mais saudáveis ​​possà­veis. Deve ser capaz de produzir uma certificação independente que os pais do cão (e avós, etc.) foram examinados para esses defeitos e considerados saudáveis para a reprodução. É aí que entram os registros de saúde..

    Criadores cuidadosos examinam seus cães de criação para doenças genéticas e criam apenas os espécimes mais saudáveis e mais bonitos., mas às vezes a Mãe Natureza tem outras ideias e um filhote desenvolve uma dessas doenças apesar das boas práticas de reprodução.. Avanços na medicina veterinária significam que, na maioria dos casos, o cão ainda pode viver uma boa vida.. Se você vai ter um filhote, perguntar ao criador sobre as idades dos cães em sua linha ea causa da morte.

    Tenha em mente que mastiffs tibetanos amadurecem muito lentamente. Eles não atingirão o tamanho máximo até que tenham 3 - 5 anos de idade.

    Lembre-se que depois de levar um cachorro para casa nova, Ele tem o poder de proteger um dos problemas mais comuns de saúde: a obesidade. Manter um mastiff tibetano em um peso apropriado é uma das maneiras mais fáceis de prolongar sua vida. Aproveitar ao máximo suas habilidades preventivas para ajudar a garantir um cão mais saudável para a vida.

    O asseio “Mastiff tibetano”

    O Mastiff tibetano tem uma camada dupla longa e espessa, com machos com cobertura mais luxuosa que as fêmeas. O subpêlo pesado é macio e lanoso; a camada superior é reta com uma textura dura. A quantidade de cabelo no pescoço e ombros dá a Mastiff tibetano a aparência de ter uma juba. Sua cauda e “calças” (as coxas traseiras) eles também são fortemente cobertos. Não é necessário aparar nenhuma parte do casaco, a menos que você queira dar uma aparência mais limpa aos pés. Com escovação regular, não deve precisar de banhos frequentes.

    Escovar para Mastiff tibetano várias vezes por semana para remover pelos mortos e manter a pele e o pêlo saudáveis. Durante a estação da muda, você vai querer escová-lo diariamente para manter seu cabelo sob controle.

    O resto são cuidados básicos. Aparar pregos conforme necessário, normalmente a cada semana ou duas. Escove os dentes com frequência com uma pasta de dente de estimação aprovada pelo veterinário para boa saúde geral e respiração fresca.

    Imagens “Mastiff tibetano”

    Vídeos “Mastiff tibetano”

    Tipo e reconhecimentos:

    • CLASSIFICAÇÃO FCI:
    • Grupo :
    • Seção : . .

    Federações:

    FCI , AKC , ANKC , CKC , KC , NZKC , UKC

    Padrão da raça FCI "Mastiff tibetano (Mastiff tibetano)"

    FCIFCI - Mastiff tibetano (Mastiff tibetano)
    Mastim

    Nomes alternativos:

    1. Mastiff (inglês).
    2. Mastiff du Tibet (Francês).
    3. Tibetdogge, Tibetanische Dogge, Tibetmastiff (alemão).
    4. Mastiff tibetano (português).
    5. Dogo del Tíbet (espanhol).

    ▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

    Cane Corso
    Italia FCI 343 - Molossóides - Dogue

    O Cane Corso É um cão equilibrado e versátil que pode se adaptar a todos os.

    Cane Corso

    Conteúdo

    Classificações do "Cane Corso"

    Coexistência é importante que você tem com seu novo amigo. Plantearte antes de adquirir uma raça de cão "Cane Corso" você sabe alguns fatores. Nem todas as raças de cães são capazes de viver em um apartamento, Você deve levar em conta a sua qualidade, sua necessidade de exercà­cio, sua interação com outros animais de estimação, seu cuidado e se você tiver crianças pequenas, o seu nà­vel de tolerância para com eles.

    Adaptação ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cão amigável ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Perda de pêlo ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Nível de afeto ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade de exercício ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade social ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Casa ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cuidado ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigável com estranhos ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Latindo ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Saúde ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Territorial ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigo dos gatos ⓘ

    1.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Inteligência ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Versatilidade ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Adequado para crianças ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Vigilância ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Alegria ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    História

    Algo pequeno e elegante que o Mastim napolitano, o Cane Corso (o Mastim italiano) Ele foi usado no passado não apenas como cão Boyero mas também na caça ao javali, e como escolta de cão em viagens de longas curso de comerciantes e, mesmo, como um aperto da Bull Dog. Foi difundido em toda a região do sul da Itália e ainda mais na Calábria, Lucannia, Pugglia, e Sannia, até o final interrelating-lo com história, a tradição, e lendas locais que, no jogo Royal Lottery, o corsário recebeu o número 22.

    Aparência feroz e determinada, como sua estrutura imponente de todos as Molóssia, Eles parecem estar na ordem do dia de seu nome, significa, portanto, poderoso Corso, robusto, forte, e estas são, sem dúvida, suas principais características.

    Outros atribuem a origem etimológica da palavra ao latim “Cohortes” ou maior guarda do corpo ou do grego "kortos", referindo-se ao fato de que ele mantinha e assistir as pessoas e os animais durante perà­odos de transumância. Finalmente, outros vêem o nome associado a ilha da Córsega.. A verdade é que fora de Itália muito pouco se sabe sobre o Cane Corso e que mesmo no seu país de origem, por anos, a corrida manteve-se esquecido e ignorado. Ele tinha que 1973 Professor Giovanni Bonatti referem-se à  presença na provà­ncia de Puglia, em um “molossóide cão para cabelo curto, diferente da Mastim napolitano, semelhante a Bulmastife e semelhante do cão represa de Mallorquin” para um grupo de entusiastas pôr mãos à obra e tentar recuperá-lo e dá-lo a conhecer dentro e fora do país.

    De fato seu reconhecimento oficial do ENCI (Ente Nazionale di Cinophilia italiano) só teve lugar em Janeiro de 1994, Depois que a tabela de trabalho da società  Amatoria Cane Corso (SACC) fornecer documentação suficiente, fotos, dados e um grande grupo de espécimes típicos para defender sua existência e origem antiga.

    Quase sempre é difícil fazer História da história de uma raça canina, mas no caso do Cane Corso havia documentação suficiente que revelava sua presença desde os tempos antigos na parte sul do que é hoje a Itália. Certamente teve que ser traçada há muitos séculos, Saiba mais sobre as lendas dos habitantes do Mezzogiorno, investigar seu folclore e tradições mais enraizadas, Saiba mais sobre sua história, as superstições de todo um povo, mas, finalmente, Após muitos anos de investigação intensa e árdua, Professor Fernando Casolino, do SACC, Ele conseguiu reunir dados suficientes para este animal impressionante, porque eles têm sido muitas, muitas referências escritas e pictóricas foram encontradas sobre este cão. É conveniente notar algumas datando desde os séculos XV e XVI, é o caso dos poemas burlescos escritos em italiano intercalados com o latim pelo frade beneditino Folengo ou das citações do “De Quadrupelibus“, o renomado médico e naturalista Gessner, conhecido como o “Plà­nio alemão”, sem esquecer a minuciosa descrição do ilustre Valvassone, que mostrou seu poder e a força de suas mandà­bulas no “Poema da cabeça”.

    No século XVIII, a contagem de Leclerc, Georges Buffon, mencionado no seu “História natural” como fez Oronzio Costa no seu Tratado sobre “A fauna do Reino de Nápoles.”, publicado em 1839. Trinta anos mais tarde Palumbo escreveu também sobre nosso protagonista em seu “Catálogo de mamíferos da Sicília”.

    As cotações continuaram a ser freqüentes e já em 1900 Spalikowski-lo mencionado no seu trabalho “Evolução do cão na sociedade humana“, leitura essencial para todos os amantes de cães; muito mais próximos no tempo estão os artigos e trabalhos publicados por Fiorenzo Fiorone, Danilo Mainardi, Bonatti Mizzoli e como não, meu bom amigo Mario Perricone, que no “Grande enciclopédia do cão” publicado por Agostino em 1987, Ele escreveu amplamente sobre raça, no qual é considerado o artigo monográfico mais importante sobre o Cane Corso. Recentemente também de Prisco e Johson citar você no “Léxico canino” referindo-se a ele como “uma recriação da antiga de cana Marcellaio”, sob o título de “Siciliano Branchiero”, explicando que ele existia exclusivamente na Sicília e que era conhecido por sua maneira particular de se mover à frente do rebanho, Portanto, segundo os autores, poderia até estar relacionado ao bullenbeiser alemão e que “na ilha, ele atuou como cão açougueiro e condutor de rebanho com habilidades únicas” O que, num momento “Ele poderia participar de touros lutando apenas como o fez outros cães de açougueiros no continente”.

    Prisco e Johson afirmam também que, na década de oitenta, que chegaram aos Estados Unidos.UU. os primeiros filhotes importados por um fazendeiro siciliano que morreu logo depois e constituem a escassa base de criação naquele país.

    Eles têm faltado muitos anos de trabalho e pessoal de alguns esforços para falar novamente de Cane Corso, corrida tão antiga e tão profundamente ligada as tradições e a história do Sul da Itália e recuperar corretamente praticamente do zero. Houve, Na verdade, muitas contradições sobre qual cão realmente se parecia e continha a própria essência do Cane Corso e foram necessários muitos debates e muitas discussões para finalmente chegar a um acordo sobre qual espécime deveria lançar as bases das novas linhas de criação.

    Longe estão todos concordaram com um nome masculino “Dauno” que resumiu a própria essência da raça e que traçou o caminho que deve ser seguido por aqueles que, com uma paixão ofereçam usava anos procurando precisamente neste caminho. Decidiu-se localizar até três indivíduos consanguíneos para estabelecer as características da raça., assim como os professores de Ballota o descreveram, Bonatti e Casolina.

    Após estudos de investigação exaustiva e, no final, não sem grandes sacrifà­cios, o programa de recuperação foi gradualmente a dar frutos. Em 1988, O Conselho de Administração da ENCI decidiu que era hora de reunir o maior número possível de cópias, produzido por pessoas não ligadas para que a sociedade tanto o âmbito do SACC, e efectuar um piloto experimental, a fim de verificar a homogeneidade de tipo, de construção e caráter e sua semelhança com as características descritas no projeto de norma que o SACC lhes submeteu. Três exposições-Bari, Florença e Milão- os juà­zes Morsiani, Perricone e Vandoni examinados cinquenta cópias; em seguida, no Outono desse mesmo ano o SACC apresentou o CI os resultados do primeiro censo realizado por Bruno de Lordes e Indiveri que é não dados de um total de 57 exemplares perfeitamente típicos e rústicos já registrados.

    Sabia?

    O bastão Corso é também conhecido como Dogo di Puglia, Isso significa “Dog Puglia”.

    Como resultado deste esforço a CI promulgou a abertura de um “Livro aberto” em que todos os espécimes adultos devidamente tatuados pudessem ser registrados, e, portanto, reconhecido como em conformidade com o projeto padrão, e em apenas quatro anos tornou-se parte do mesmo sobre 500 Cães, então ficou claro que o programa de recuperação foi bem-sucedido.

    Tais resultados finalmente deram origem ao reconhecimento oficial da raça em janeiro 1994.

    Modernidade e o declà­nio do trabalho a que se destinava, não impediram esta raça de manter as suas qualidades características. Continua a ser um cão de temperamento tenaz mas não morde por nada. É uma das melhores corridas da proteção da propriedade.. Se você gosta muito com o proprietário pode ser muito sensà­vel a seu humor.

    Características físicas

    Sua a pele é grossa o suficiente, com tecido conjuntivo e, portanto, praticamente colado a subcutâneo de cada região limitados. O pescoço não apresenta praticamente queixo duplo. O chefe não têm de apresentar rugas. O pigmento das mucosas e o esclerosas tem que ser preto. O pigmento da sola e unhas deve ser escuro.
    O pelagem é curta, mas não de cetim, de textura vítrea, reluzente, brilhante, aderente, grave, muito densa, com uma leve camada de subpêlo que se acentua no inverno, sem que nunca atinge a emergir no cabelo de cobertura. Seu comprimento médio é de 2/2′ 5 cm. Na Cruz, a alcatra, e as bordas posteriores da coxa e na cauda atinge o 3 cm, sem nunca dando lugar a franjas. No nariz, cabelo é privado, suave, aderente e não mais de 1/1′ 5 cm.

    Pode ser preto, cinzento chumbo, ardósia cinza, cinza claro, Griffon clara, Vermelho cervato, Dark rapace e distribuà­do (listras contra um plano de fundo do Griffon ou de vários tons de cor cinza). Em indivíduos fulvo e tigrado, está presente uma máscara preta ou cinza que não deve se estender além da linha dos olhos. Admitiu uma pequena mancha branca no peito, na ponta dos dedos do pé e no leme nasal.

    O altura Cruz na machos é de 64 - 68 cm, na fêmeas de 60 - 64 cm. Com tolerância de 2 cm mais ou menos. O Peso no os homens é de 45 - 50 kg (relação peso /talla 0,71 kg por cm). E no fêmeas de 40 - 45 kg (relação peso /talla 0,68 kg/cm.).

    Saúde do Cane Corso

    Algumas das condições de saúde que tenham sido no Cane Corso são o Quadril Displasia., problemas oculares tais como Entrópio ou ectropion, sarna demodécica e a tendência a inchar.

    Lembre-se que depois de levar um cachorro para casa nova, Ele tem o poder de proteger um dos problemas mais comuns de saúde: a obesidade. Cane Corso manter um peso adequado é uma das maneiras mais fáceis para a vida prolongar. Para tirar o máximo partido das habilidades preventivas para ajudar a garantir um cão saudável para a vida.

    Caráter e habilidades

    Seu personagem afável e fiel con los suyos. Seu equilà­brio psicológico e extrema versatilidade funcional que permite adaptar a tudo, Ele está a fazer para ganhar mais adeptos e, de facto, novamente usado você em pastagem e promover como tarefas velhas, e também na caça, embora aos poucos esteja ganhando uma posição preferencial como animal de companhia e no que se tem chamado de terapia com animais domésticos (“terapia de estimação”).

    Contudo, por seu tamanho e força extraordinária Cane Corso proprietário deve ser capaz de educar desde o primeiro momento sempre tê-lo sob controle, de modo que nunca está em conflito surpresas ou, Ele deve aprender com cachorro o que é certo e que não, O que é proibido e o que é permitido, para que mais tarde será sem contratempos., recomendando mais formação profissional de determinadas circunstâncias, desde que o cão tenha adquirido um certo grau de maturidade, Por conseguinte, não podemos esquecer que, no caso de Molóssia, seu desenvolvimento psicológico é sempre mais lento que o físico.

    Ciente de seu tamanho e aparência, Corso geralmente não expressa nervosismo e aceita voluntariamente a qualquer pessoa que seu próprio mestre aceitará qualquer. Quando ele é atribuà­do à  guarda de uma propriedade de seu temperamento equilibrado permite a ela sempre oriundos da, com grande discrição, e só em caso de necessidade real, agir e atacar. Assim podemos concluir que o Cane Corso é um animal impressionante, equilibrado e eficaz em qualquer tarefa exigindo-lhe. Há uma lenda feita realidade.

    Experiência do Cane Corso

    Com paciência e sensibilidade
    O Cane Corso não é um cão iniciante e pertence apenas a mãos responsáveis. Aprenda rapidamente e com prazer se você o tratar com paciência e sensibilidade durante o treinamento. Se é para ser mantido como um cão de famà­lia, Os instintos protetores de Cane Corso não devem ser incentivados durante o treinamento. A socialização precoce e abrangente é especialmente importante, para que o cão se acostume com outras pessoas e animais e reaja com calma em todas as situações.

    Cuidados com a Cana Corso

    O casaco de Cane Corso é brilhante, suave e curto, e não requer limpeza extensa. Cane Corso tem um subpêlo fino que pode protegê-lo do frio às vezes. Uma esponja de massagem ou escova macia deve ser usada regularmente para estimular a circulação sanguà­nea. – isso garante uma pelagem saudável e brilhante.

    Nutrición Cane Corso

    Apenas com alto teor de carne
    Com comida preparada, preste atenção a um alto teor de carne, baixo teor de grãos e alta qualidade. Um cão adulto precisa de carne e legumes frescos suficientes para uma dieta saudável.. Cães jovens, por outro lado, eles não devem ser alimentados com muita proteína. Alimentos muito ricos em proteínas podem promover o crescimento rápido demais e estimular doenças do sistema ósseo.. A alimentação deve ser dividida em duas refeições ao dia. Um deles deve ser administrado diretamente após a caminhada diária. Desta forma, o cão recebe sua recompensa após o “Trabalho feito”.

    A expectativa de vida do Cane Corso

    Cane Corso pode atingir uma idade relativamente alta, o que é realmente atípico para cães tão grandes. Um cão saudável e ativo alcançará facilmente a idade de 10 - 14 anos, desde que você se exercite muito e tenha uma dieta equilibrada. Essa robustez e longa expectativa de vida em comparação com outras raças de cães maiores são devidas à  forte estrutura óssea e à  construção robusta.

    Compre um Cane Corso

    Criadores sérios oferecem não apenas um pedigree com um registro completo dos ancestrais do cão, mas também um conselho completo que vai além da compra. Antes de comprar ou reservar um filhote, informações exaustivas devem ser obtidas junto à  autoridade local para saber quais regulamentos de conservação existem.

    Imágenes Cane Corso

    Vídeos Cane Corso

    Tipo e reconhecimentos:

    • CLASSIFICAÇÃO FCI:
    • Grupo :
    • Seção : . .

    Federações:

    FCI , AKC , ANKC , CKC , UKC

    Padrão da raça FCI "Cane Corso"

    Origem:
    Itália

    Data de publicação do padrão original válido:
    13.11.2015

    Uso:

    Cão utilitário, polivalente



    Aparência geral:

    Tamanho médio a grande. Cão robusto e forte, No entanto, com alguma elegância. Músculos magros e poderosos.



    PROPORà‡à•ES IMPORTANTES: O cão é retangular no contorno e um pouco mais longo do que alto. (O comprimento do cachorro é 11% maior que sua altura). O comprimento da cabeça atinge o 36% de sua altura à  cruz.



    Comportamento / temperamento:

    Guardião da propriedade, famà­lia e gado; extremamente ágil e responsivo. No passado, Tem sido usado para pastorear gado e para caça maior..

    Cabeça:

    ampla, tipicamente molossoide. Os eixos longitudinais superiores do crânio e a ponte nasal são ligeiramente convergentes entre si..

    Região craniana:
    • Crânio: Largura; no arco zigomático, sua largura é igual ou maior do que seu comprimento. Ligeiramente convexo na frente, o crânio torna-se significativamente mais plano por trás da parte dianteira à  parte traseira da cabeça. O sulco frontal medio é visà­vel.
    • Nasofrontal depression (Stop) :  Marcado.

    Região facial:

    • Trufa: Preto e volumoso, com janelas grandes e abertas. É colocado na mesma linha que a bengala nasal..
    • Focinho: Significativamente menor do que o crânio (crânio de relacionamento : Eu focinho aproximadamente 1:2). Strong, Praça, contanto que a largura; a frente do focinho é plana; as partes laterais do focinho são paralelas. Ver Perfil, Leme nasal é reto.
    • Lábios: Os lábios superiores são moderadamente pendentes e cobrem a mandíbula., de tal forma que o perfil inferior do focinho é formado pelos lábios.
    • mandíbulas / Dentes: mandíbulas muito largas, grosso e curvo. Leve prognatismo inferior; a articulação do clipe é tolerada, mas não desejável.
    • Olhos: Médias, forma de ovo, ligeiramente salientes; o olhar é dirigido para a frente. As pálpebras são bem coladas. A cor da íris é a mais escura possível com base na cor da pelagem. Expressão : animada e vigilante.
    • Orelhas: Triangular, pingentes; sua inclusão, Localizado bem acima do arco zigomático, é grande; a frequentemente amputada curta sob a forma de um triângulo equilátero.

    Pescoço:

    Strong, muscular, enquanto a cabeça.

    Corpo:

    O corpo é ligeiramente mais longo do que a altura na cernelha. De constituição forte, mas não Dumpy.

    • Cruz: Pronuncia-se, excede o nà­vel da alcatra.
    • Voltar: retilíneo, muito musculoso e duro.
    • Lombo de porco: Curto e sólido.
    • Alcatra: Longo e largo, ligeiramente inclinado.
    • No peito: Peito bem desenvolvido em três dimensões, desce para o cotovelo.

    Cola:

    Inserção alta, muito grosso na raiz. Ele foi amputada na quarta vértebra. Em ação, sobe, mas nunca ereto ou enrolado. Inserção bastante alta, muito grosso na raiz. Ele foi amputada na quarta vértebra. Em ação, sobe, mas nunca uma verticalidade ou rosca.

    Extremidades

    MEMBROS ANTERIORES:

    • Ombro : Longo, oblà­qua, muito musculoso.
    • Braço: Poderoso.
    • Antebraço: Reto, muito forte.
    • Carpo e Metacarpo:  Elásticos.
    • Pés dianteiros: Pés de gato.

    MEMBROS POSTERIORES:

    • Coxa: Longo, Largura, removido convexo.
    • Perna: Strong, não carnudas.
    • Jarrete: Moderadamente angulado.
    • Pés traseiros: Um pouco menos compacto do que o anterior.

    Movimento:

    Passo longo, trote alongado; o trote é o movimento preferido.

    Manto

    • PELE : Ligeiramente espesso, mais firmemente ligado aos tecidos subcutâneos.
    • CABELO: Curta, brilhante, muito densa, com fina camada interna dos cabelos.
    • COR: negro, Gris Plomo, Pizarra Gris, cinza claro, Griffon clara; Vermelho cervato, fulvo escuro; distribuà­dos (vários tons de cores de listras em um fundo cinza ou marrom-amarelado). Cães pretos e tigrados têm uma máscara preta ou cinza no focinho que não deve ultrapassar a linha dos olhos.. Uma pequena mancha branca no peito,  nas pontas dos dedos e o Helm nasal são admitidas.


    Tamanho e peso:

    Altura à  Cruz:

    • Machos de 64 - 68 cm.
    • fêmeas de 60 - 64 cm.

    Tolerância de mais ou menos 2 cm.

    Peso:

    • Machos de 45 - 50 kg
    • Mulheres de 40 a 45 kg.


    Falhas:

    Qualquer desvio dos critérios acima é considerado faltando e a gravidade é considerada o grau de desvio do padrão e seu impacto sobre a saúde e o bem-estar do cão.

    FALTAS GRAVES :

    • Paralelismo ou os eixos superiores do crânio e o focinho muito marcada convergência. Lados do focinho convergentes.
    • Despigmentação parcial do nariz.
    • Bite em tesoura; prognatismo inferior marcado.
    • Fila de rosca; LED cauda reta.
    • Amble permanente sobre o trote.
    • Peso que ultrapassa ou não atinge o tamanho indicado na norma.

    FALTAS DE ELIMINAÇÃO

    • Covardia, agressão em direção do proprietário.
    • Divergência dos eixos superiores do crânio e do focinho.
    • Despigmentação completa do nariz.
    • Cana nasal muito convexa ou cà´ncava.
    • Prognatismo superior.
    • Despigmentação parcial ou completa das pálpebras. Olhos gazeos; estrabismo.
    • sem cauda; cauda curta (cortar ou não).
    • Cabelo semi-longo, muito curtas ou forma franjas.
    • Todas as cores não indicadas no padrão, manchas brancas longas.

    Qualquer cão que mostre sinais claros de anormalidades físicas ou comportamentais deve ser desqualificado..



    N.B.:

    Os machos devem ter dois testículos de aparência normal totalmente descidos no escroto..



    TRADUÇÃO : ENCI, Dr.. JàšNIOR. Pequeno e o Sr. Ermanno forma.

    Fonte: F.C.I - Federação Cinológica Internacional

    Nomes alternativos:

    1. Italian Mastiff, Italian Corso Dog, Cane Corso Italiano (inglês).
    2. Cane Corso Italiano, Chien de Cour Italien (Francês).
    3. Cane Corso, ITALIENISCHER CORSO-HUND (alemão).
    4. Mastim Italiano (português).
    5. Mastín italiano (espanhol).

    ▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

    Cimarron uruguayo
    Uruguay FCI 353 - Molossóides - Dogue

    Cimarrón

    O Cimarron uruguayo também chamado cimarrón cão ou cimarrón crioulo é a única raça desenvolvida inteiramente em território uruguaio.

    Conteúdo

    História

    O Cimarron uruguayo Bulldog é um tipo de cão molosoide, médias, Compacta e forte, o pêlo pode ser listrado ou também bayo (cor creme) e focinho preto. Seu temperamento é dócil, astúcia e guardião, ideal para guarda, empresa ou grande jogo. Ele é reconhecido como uma corrida no Uruguai de 1989 e internacionalmente, a Federação Cinológica Internacional – FCI, desde o 21 em fevereiro de 2006.

    Etimologicamente Cimarron é um termo aplicado na América (originalmente na ilha de Hispaniola.) a tudo que tendo sido doméstico ou civilizado voltou ao estado selvagem ou selvagem, referindo-se neste caso a seu refúgio nas alturas (Com efeito, as montanhas e vales escondidos) Serras, com o qual cimarrón seria “quem vive em tops ou ocultos nelas”.

    Os exemplares originais do cão selvagem descendem dos cães introduzidos pelos conquistadores espanhóis e portugueses..
    As cruzes naturais que estavam ocorrendo na natureza é que ele evoluiu no decurso de dois séculos uma variedade nativa perfeitamente adaptada para o ambiente das planà­cies uruguaio.

    «Diga ao seu mestre que quando me faltar homens para lutar contra seus capangas, Tenho que combatê-los com cachorros Maroon»: José Gervasio Artigas para o Gral. Carlos Federico Lecor.

    A raça canina denominada Cimarrón ou Criollo cimarrón é a única raça desenvolvida inteiramente em território uruguaio.

    Cães não doméstico do mundo, Sejam espécies originais ou raças produzidas pela feralização de raças domésticas que retornaram ao ambiente natural e conseguiram se readaptar a ele, apresentam um desenvolvimento físico totalmente diferente deste., por isso é altamente discutà­vel que esta raça produzida no Uruguai como uma suposta cães maroons modelo mencionados nas crà´nicas e documentos antigos refletem o comportamento natural dessas. Todos os cães selvagens do mundo, por que é conhecido como “convergência” nà­vel evolutivo têm pernas longas, orelhas eretas, corpo delgado, exceções que ocorrem em climas extremos (enormes orelhas de certos cães de desertos africanos ou orelhas pequenas de raposas do àrtico).

    Existem crônicas detalhadas de ataques de matilhas desses cães a caravanas e pessoas, que levou as autoridades da época (no final do século XVIII) eles já têm e incentivar grandes massacres, atingindo contagem por dezenas de milhares de cães mortos.

    Cada animal morto foi pago pelas autoridades da época, exigência de uma prova de morte apresentado a mandà­bula ou o par de orelhas do animal. Desta prática derivaria o corte de orelha característico que é realizado em muitos filhotes recém-nascidos., sob a forma de “orelha de puma”.

    Apesar destes massacres, «…um bom número de mães com seus filhos conquistaram as montanhas de Olimar e especialmente na Serra de Otazo e nos Cerros Largos», no que é hoje conhecido como departamentos de Cerro Largo e Treinta y Tres, onde muitos fazendeiros e proprietários de terras neste lugar, eles aproveitaram as virtudes desta raça para trabalhar com o gado e a defesa de sua propriedade, começando a levantá-lo, preservando a mistura.

    Traços modernos da raça começam a se tornar mais públicos no início de 1990. 1980, Quando vários criadores de Montevidéu, atraídos pelas características marcantes de alguns espécimes, eles começam a desenvolver os seus pais e padronização.

    É no 1989 Quando este trabalho começa a pagar seus frutos, a ser o marrom uruguaio oficialmente reconhecida pela Associação do Uruguai Rural (A.R.U.) e o Kennel Club Uruguayo (K.C.U.), 20 anos após a primeira exposição de um espécime da raça no K.C.U.
    Assim, foi criada a Associação de Criadores de Cimarrones Uruguaios e junto com o K.C.U.. Ele prepara o lançamento oficial da corrida, selecionando os cães base do mesmo e cadastrando seus filhotes, sendo tatuado pela primeira vez com este número de registro.

    Hoje, os atributos de caráter desta raça chamada Cimarrón Eles tornam cada vez mais popular na Uruguai e região, ser empregado como cão de companhia, Guarda e caça, especialmente o javali.

    Características físicas

    O Cimarrón Bulldog é um cão de médio tamanho tipo, equilibrado, forte, compacto, com boa osatura, muscular, astuto e grande coragem. O tamanho e peso no sexo masculino é de 58 - 61 cm. de altura e 38 - 45 Peso kg.. E de 55 - 58 cm. de altura e 33 - 40 Peso kg., nas fêmeas.

    Caráter e habilidades

    É excelente trabalhar com o cão de gado, caça e guarda. Atividade de gado predominante destas terras e a consequente abundância de alimentos sem grande competição com outros predadores naturais, o bighorn se reproduziu em grande número tornando-se – de acordo com documentos históricos – numa verdadeira praga e flagelo para os habitantes do campo e para o gado.

    Esta corrida desde que sua padronização tem atraà­do um crescente interesse tanto no âmbito da fronteira do Uruguai, ter cópias deste cão em vários países da América, dos Estados Unidos para a Argentina, contando este último país com vários criadores de Cimarrón Uruguayo.
    Outra das etapas alcançadas para o melhoramento genético da raça chamada Cimarrón Uruguayo é a assinatura de um convênio entre a Universidade da República Oriental do Uruguai, através da sua faculdade de medicina veterinária com os quilombolas sociedade de criadores para o estudo do estatuto zootécnico e consanguinidade do exemplar inscrito em seus rolos.

    Este longo processo de padronização foi coroado com a 21 em fevereiro de 2006 Quando o Bureau Internacional da Federation Cynologique Internationale (FCI) dá reconhecimento internacional para o uruguaio Cimarron.

    Os estados padrão da raça que o cão deve ter muita coragem. Como todos os cães de grande porte, Cimarron Uruguayo deve ser bem socializados quando muito jovem, se você quiser ser mantido como companheiro. É um cão muito amigável com crianças e outros animais.

    Cimarron Uruguayo é por vezes utilizado para vigilância, caça e todos os esportes do cão em sua Uruguai nativa. Sendo um cão muito inteligente tem sido usado por todos os tipos de postos de trabalho, como resgate ou a pastagem.

    Um cão é bastante tranquila e estável, raramente latir menos que a ameaça é real.

    O cão Cimarrón primitivo, por suas raà­zes em território uruguaio, Foi desde os primórdios da identidade nacional desta vila um símbolo da luta pela independência, fielmente refletida na carta enviada pelo General José Gervasio Artigas em resposta ao General Carlos Federico Lecor, Contagem de la Laguna e governador da Provincia Cisplatina (atual Uruguai) em que Artigas expressa que se ele foi deixado sem soldados para lutar, eu faria com o Cachorro cimarron.

    É por esta tradição que esta raça é atualmente símbolo e mascote do Exército Nacional do Uruguai., tendo um lugar preferencial em desfiles militares anuais do 18 Julho. Nesta ocasião, um soldado do Batalhão de Blandengues (a empresa que o próprio Artigas soube liderar na época) He passeios levando o desfile levado um corcel mourisca sem junto o piloto que é um cão pastor pela flange.

    Imagens "Cimarron uruguayo"

    Créditos:

    1. cimarrón uruguaio – Canil La Fogueira by Leonardo Botião Fonseca / CC BY-SA
    2. Cimarron Uruguayo por mancha / CC BY-SA
    3. O Winner Show Finnish, Helsinque, 2015. Por Tomasina / CC BY-SA
    4. Nbistolfi / CC BY-SA

    Vídeos "Cimarron uruguayo"

    Tipo e reconhecimentos:

    • CLASSIFICAÇÃO FCI:
    • Grupo :
    • Seção : . .

    Federações:

    FCI , UKC

    Padrão da raça FCI "Cimarron uruguayo"

    FCIFCI - Cimarron uruguayo
    Cimarrón

    Nomes alternativos:

    1. Cimarron, Uruguayan Cimarron, Cimarron Creole, Maroon Dog, Cerro Largo Dog, Perro Cimarron, Cimarron Dog (inglês).
    2. Cimarrón uruguayo (Francês).
    3. Cimarrón Uruguayo (alemão).
    4. Cimarron uruguaio (português).
    5. Perro Gaucho, Perro criollo, Cimarrón (espanhol).

    ▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

    Cão de Castro Laboreiro
    Portugal FCI 170 - Molossóides . Montanha

    Perro de Castro Laboreiro

    O Cão de Castro Laboreiro É um cão de excelente guarda e companheiro

    Conteúdo

    História

    O Cão de Castro Laboreiro (Cão de Castro Laboreiro) É uma raça de cão portuguesa de tamanho grande. Originários da freguesia de Castro Laboreiro, Melgaço, é que um tipo de cão lupóide amastinado é mais leve do que outras raças de cães de gado.

    O Cão de Castro Laboreiro tem sua origem na região que lhe deu o nome, o povo de Castro Laboreiro, no concelho de Melgaço. É uma região montanhosa agreste que se estende desde o rio Minho até às serras da Peneda e Soajo entre os rios Trancoso, Laboreiro e moro, até que em torno de 1400 m acima do nà­vel do mar.

    Como o cão., Castro Laboreiro é uma das regiões mais antigas da terra portuguesa. Os vestà­gios pré-históricos como Antas e pinturas rupestres, Eles demonstram a presença do homem na região há milhares de anos. Os pontos fortes são a prova da forte presença da cultura celta na região. Também os celtas e os romanos vieram aqui, as estradas romanas e a construção de pontes com seus marcos. As comunidades castrejas sempre viveram de caça, pesca, pastagem e agricultura.

    ler mais

    ▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

    Pastor-do-cáucaso
    Rusia FCI 328 Molossóides . Montanha

    O Pastor-do-cáucaso É um temperamento estável e animal saudável.

    Pastor del Cáucaso

    Conteúdo

    Classificações do "Pastor-do-cáucaso"

    Coexistência é importante que você tem com seu novo amigo. Plantearte antes de adquirir uma raça de cão "Pastor-do-cáucaso" você sabe alguns fatores. Nem todas as raças de cães são capazes de viver em um apartamento, Você deve levar em conta a sua qualidade, sua necessidade de exercà­cio, sua interação com outros animais de estimação, seu cuidado e se você tiver crianças pequenas, o seu nà­vel de tolerância para com eles.

    Adaptação ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cão amigável ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Perda de pêlo ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Nível de afeto ⓘ

    4.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade de exercício ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Necessidade social ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Casa ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Cuidado ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigável com estranhos ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Latindo ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Saúde ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Territorial ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Amigo dos gatos ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Inteligência ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Versatilidade ⓘ

    2.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Adequado para crianças ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Vigilância ⓘ

    3.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    Alegria ⓘ

    5.0 fora de 5 estrelas (baseado em 1 Reveja)

    História “Pastor-do-cáucaso”

    Um Pastor-do-cáucaso é um cão pastor grande e muito forte, muito difundido na Rússia. No padrão oficial é chamado Kavkazskaya ovčarka. O Pastor-do-cáucaso eles se espalham por uma área enorme, que inclui o território da Rússia, bem como a antiga União Soviética. Somente nas áreas polares você mal consegue ver. Em sua terra natal., oPastor-do-cáucaso são, Por conseguinte, bastante diferente em detalhes e diferentes tipos foram desenvolvidos. Nas áreas de estepes, esta raça é mais leve e mais alta, em regiões montanhosas mais pesadas e compactas. Mas em tipo e caráter é o mesmo em todo lugar. Este é o resultado da sua tarefa de trabalho, que foi e é o único critério para a criação lá por muitos séculos. No final, os mesmos requisitos resultaram nos mesmos cães. Suas tarefas são pastorear e proteger os rebanhos, monitorar e proteger a propriedade e seu povo. Eles são cães arcaicos, eles provavelmente surgiram dessa forma com a introdução da pecuária em primeiro lugar, e isso foi alguns 10.000 anos.

    Você não pode enganar um Pastor-do-cáucaso. Compreende claramente seu papel. Tipicamente, deita-se em um lugar alto ao lado de seu rebanho, ser capaz de observar tudo ao seu redor. Seu rebanho, seus pastores, sua famà­lia e suas propriedades são sagradas para ele. Ele é fiel e amorosamente dedicado a eles. Ele suspeita de tudo o mais e não hesita em atacar qualquer sinal que interpreta como hostil. É extremamente defensivo e destemidamente se opõe a lobos e ursos. Desta forma, protegeu os rebanhos de gado e as propriedades solitárias dos pastores, agricultores, albergues, artesãos e comerciantes desde tempos imemoriais. Este recurso extremamente útil, mesmo necessário para o funcionamento de tal sociedade no vasto e solitário país, não se encaixa na sociedade apertada e agitada de hoje. Dificilmente existe um pedaço de terra grande o suficiente para fornecer ao cão Pastor-do-cáucaso um espaço de trabalho. Ele está acostumado a outras escalas da vastidão da Rússia.

    O que mais, o zeitgeist no mundo de hoje demoniza todas as formas de agressão que emanam de um cão. Embora demore apenas uma ou duas gerações, proprietários maiores estavam orgulhosos de seu cão ser confiável e, em caso de emergência, agudo, assustaria um ladrão sem medo, tal característica é potencialmente fatal para o cão de hoje. Você corre o risco de ser classificado como “cachorro perigoso” e em casos extremos eutanásia. Este não é um ambiente para uma Pastor-do-cáucaso. E assim você pode encontrá-lo em quase todos os lugares nas listas de cães supostamente perigosos.. É um arquétipo de cachorro ao qual o homem deve muito em seu desenvolvimento. Como raça de cachorro, é descrita há muito tempo e nos livros especializados mais antigos sobre cães. Contudo, na criação moderna de cães com pedigree, só foi oficialmente reconhecido pela FCI em agosto 1984.

    Características físicas “Pastor-do-cáucaso”

    O cão pastor caucasiano é um cão de estrutura harmoniosa, grande e forte, com bastante osso e um poderoso sistema muscular e um formato um tanto retangular. Dimorfismo sexual bem pronunciado.
    Os machos são masculinos, com uma cruz bem desenvolvida e uma cabeça maior em comparação com a das fêmeas. É por isso que eles são mais massivos, maior e à s vezes seu corpo é mais curto que o das fêmeas.
    Em cães com uma variedade de pelagem mais longa, o macho tem uma juba distinta.

    Tamanho e peso:

    Altura à  Cruz:

    • Machos: Altura desejada 72 – 75 cm. Mínimo 68 cm.
    • fêmeas: Altura desejada 67 – 70 cm. Mínimo 64 cm.

    Alturas mais altas são aceitas desde que a conformação seja harmà´nica.

    Peso:

    • Machos: Mínimo 50 Kg
    • fêmeas: Mínimo 45 Kg.

    Caráter e habilidades “Pastor-do-cáucaso”

    O Pastor-do-cáucaso é um guardião e protetor. O padrão oficial classifica suas qualidades de caráter inequivocamente: “Deve ser forte, equilibrado e calmo com uma reação defensiva bem desenvolvida, que é expressado ativamente. Nitidez e desconfiança de estranhos são típicos”. E Pastor-do-cáucaso geralmente é incompatà­vel com outros cães! Esses traços, especialmente com um cachorro grande e muito forte que reivindica um grande território, dificilmente são compatíveis com as condições sociais do mundo de hoje. É uma grande experiência poder formar um vínculo estreito com um cachorro como esse.. Isso também permite que você experimente um lado completamente diferente do cão. Pastor-do-cáucaso, o de um amigo extremamente amoroso, leal e carinhoso. Contudo, se não temos os meios financeiros e espaciais para oferecer a ele em nossas latitudes um ambiente adequado à  sua natureza, isso dificilmente será possível.

    Ginástica

    O Pastor-do-cáucaso ele é extremamente pouco exigente em sua atitude, se as condições gerais já mencionadas forem ignoradas. Um Pastor-do-cáucaso não precisa de aquecimento, brinquedos ou um arnês na coleira. Esta raça é pouco exigente em sua nutrição. Isso também se aplica ao seu alojamento.. Você pode passar o ano inteiro fora sem problemas, se você quer passar o ano inteiro fora – desde que haja um local adequado para se esconder e “adequado” significa aqui decididamente nem canil nem mesmo cadeia. Deve poder se mover em seu território. Um Pastor-do-cáucaso você aceita, até protege com sensibilidade todos os amigos de duas e quatro patas que vê como pertencentes a sua matilha ou famà­lia. Mas você precisa de um chefe claro. No começo, ele é suspeito ou até hostil com todos os outros.

    É necessário um relacionamento próximo e orientação competente para andar na coleira deste cão., que é definitivamente sempre mais forte, e, em seguida, ser capaz de passar para um terrier latindo agressivamente. É possà­vel, mas requer educação séria, uma boa socialização e um professor ou amante experiente, competente e muito sensà­vel e ao mesmo tempo minucioso. O Pastor-do-cáucaso está amplamente nas listas de cães perigosos. É proibido viajar para a Holanda ou Dinamarca, pois existe o risco de o cão ser confiscado nas ruas e sacrificado. Um Pastor-do-cáucaso não é um cão iniciante. Isso seria até irresponsável. Mesmo da mão de um conhecedor experiente, requer, em qualquer caso, as condições externas básicas para uma atitude adequada à  sua natureza.

    Educação “Pastor-do-cáucaso”

    Levantando um Pastor-do-cáucaso nas condições sociais de hoje, é um desafio muito especial, somente especialistas comprovados podem dominar as condições de estrutura certas.

    Cuidados e saúde “Pastor-do-cáucaso”

    O Pastor-do-cáucaso tem uma camada dupla composta por uma camada inferior e uma camada superior. A camada interna é macia e fina, enquanto os pêlos da pelagem externa são longos e grossos. (A pelagem de um Pastor-do-cáucaso Nunca deve parecer suave ou parecer ondulado.) Em relação ao comprimento, o casaco pode ser longo, médio ou curto. Cães com pêlo comprido têm uma crina que envolve o pescoço, bem como extensa plumagem nas patas traseiras e na cauda, que parece grosso e fofo. Cães com pêlo de comprimento médio não têm tanta juba, e eles têm menos penas no resto do corpo. Um casaco curto, o tipo menos comum, não tem juba ou franja. Duas vezes ao ano, quando você muda seu casaco, você tem que escovar bem.

    Cães desta raça desfrutam de uma saúde muito robusta.

    Nutrição / Alimentação

    O Pastor-do-cáucaso não exige nada da sua dieta. Provavelmente um dos cães com menos demandas nesse sentido.

    expectativa de vida “Pastor-do-cáucaso”

    Em relação ao seu tamanho, um Pastor-do-cáucaso tem uma expectativa de vida muito alta de 12 e às vezes mais anos.

    compre um “Pastor-do-cáucaso”

    A compra de um Pastor-do-cáucaso deve ser considerado apenas por especialistas que sabem exatamente o que fazem, que têm a experiência certa e que têm as condições de criação certas. Os filhotes dessa raça custam cerca de 1.000 EUR.

    Imagens “Pastor-do-cáucaso”

    Vídeos “Pastor-do-cáucaso”

    Tipo e reconhecimentos:

    • CLASSIFICAÇÃO FCI:
    • Grupo :
    • Seção : . .

    Federações:

    • FCI – Cães do tipo Pinscher e Schnauzer-Molossoide – Cães de Montanha e Boieiros Suiços. Seção 2.2 Molossóides, tipo Montanhês.
    • AKC – FSS (Serviço de Estoque da Fundação)
    • UKC – Cão de guarda

    Padrão da raça FCI "Pastor-do-cáucaso"

    Origem:
    Rússia, Arménia, Geórgia, Azerbaijão

    Data de publicação do padrão original válido:
    13.10.2010

    Uso:

    Cão de guarda e vigilância.



    Aparência geral:

    O "Caucasian Shepherd Dog" é um cão com uma estrutura harmoniosa, grande e forte, com bastante osso e um poderoso sistema muscular e um formato um tanto retangular. Dimorfismo sexual bem pronunciado. Os machos são masculinos, com uma cruz bem desenvolvida e uma cabeça maior em comparação com a das fêmeas. É por isso que eles são mais massivos, maior e à s vezes seu corpo é mais curto que o das fêmeas.

    Em cães com uma variedade de pelagem mais longa, o macho tem uma juba distinta.



    Comportamento / temperamento:

    O comportamento é firme, ativo, autoconfiante, corajosamente e independentemente. O Cão "Pastor Caucasiano" mostra carinho e devoção para com seu dono, ele é um excelente cão de guarda.

    PROPORà‡à•ES IMPORTANTES:

    • O comprimento do corpo excede a altura na cernelha 3 – 8%.
    • O comprimento dos membros anteriores calcula a média 50 – 52% a altura na cernelha.
    • O comprimento do crânio e o comprimento do focinho são 3:2

    Cabeça:

    ---

    Região craniana:

    a cabeça é grande, sólido e largo nas maçãs do rosto. Ver os de cima, a cabeça é em forma de cunha com uma base larga.

    • Cenfurecido: Sólido e largo, antecara bastante plana com uma dobra marcada mas não profunda. Arcos superciliares desenvolvidos, mas não salientes. Osso occipital pouco visà­vel.
    • Ddepressão naso-frontal (Stop): Perceptà­vel, mas não claramente marcado.

    Região facial:

    • Trufa: Preto, grande com narinas bem abertas não saindo das linhas externas do focinho. Uma trufa preta em cores sólidas, manchado e espreita é desejável, mas não obrigatório (mas trufas genéticas azuis ou marrons não são permitidas)
    • Hocico: Larga e profunda afinando gradualmente em direção ao nariz com mandíbulas e queixo fortes. Grande profundidade e bem preenchida sob os olhos. A ponte nasal é larga. A linha superior do focinho e do crânio correm paralelas.
    • Labios: Grosso, apertado e bem pigmentado.
    • mandíbulas / Dentes: Os dentes devem estar saudáveis, branco e forte; incisivos próximos uns dos outros em uma linha. Mordida completa em tesoura ou pinça (42 dentes). Incisivos ou caninos feridos, quebrado ou quebrado que não afetam a mordida não são significativos ou a ausência de PM1.
    • Bochechas: Bem desenvolvido e destacado por bons músculos mastigatórios.
    • Ojos: Tamanho moderado, Em forma oval, não muito profundo, colocado separado e oblà­quo. A cor está em diferentes tons de marrom, do escuro para avelã. Pálpebras pretas, seca, justa. Expressão séria, atenta e inquisidora.
    • Obares: Tamanho moderado, espessura, forma triangular, naturalmente pendurar, colocado alto e separado. Tradicionalmente amputados em seu país de origem. Ouvidos naturais são de igual valor.

    Pescoço:

    Médio longo, forte, baixa inserção, arredondado transversalmente. Crista pronunciada especialmente em homens.

    Corpo:

    Muito bem desenvolvido em todas as suas dimensões, Largura, boa musculatura e bem equilibrada.

    • Cruz: Bem pronunciado, moderadamente longa. A altura na cernelha excede ligeiramente a altura da garupa.
    • Dorso: Direito, Largura, empresa.
    • Lo(m)o: Curta, Largura, levemente arqueado.
    • Gsemelhança: Moderadamente longo, largo, arredondado, ligeiramente inclinado em direção à  base da cauda.
    • Peco: Longo, Largura, boas costelas, em geral profundo, bem como em sua parte anterior. Transversalmente tem uma ampla forma oval. costelas bem arqueadas, costela longa falsa. Antepecho marcado.
    • Leunmenor ea e barriga: Abdômen moderadamente retraído em direção posterior.

    Cola:

    Inserção alta, foice curvada ou enrolada. Em repouso, pendura na altura do jarretão; quando o cão está alerta, a cauda pode ser portada sobre a linha superior.

    Extremidades

    MEMBROS ANTERIORES:

    • ApArience geral: Boa musculatura. Visto de frente, membros retos e paralelos colocados ligeiramente afastados.
    • Ho(m)bros: Musculatura forte. Moderadamente longa, larguras,
    • inclinado a formar um ângulo de aproximadamente 100 graus com o antebraço. A escápula bem ao lado do peito.
    • Antbraço: forte e musculoso, Bem juntos.
    • Cotovelos: Recuar bem, paralelo ao eixo, sem virar para dentro ou para fora.
    • Brazo: Direito, sólido, moderadamente longa, boa musculatura, transversalmente redondo.
    • Metacarpo: Curta, sólido, sempre em linha reta visto de frente e dos lados.
    • Pemé anterior: Grande, Forma redonda, bem arqueado, bem fechado.

    MEMBROS POSTERIORES:

    • ApArience geral: Vistos de atrás, direitos, paralelo e moderadamente espaçado. Joelhos e jarretes bem angulados quando vistos de lado. A parte de trás não deve ser colocada muito atrás.
    • Coxa: Largura, boa musculatura, moderadamente longa.
    • Cajadoemll-: Bem angulado o suficiente.
    • Pemerna: ampla, boa musculatura, moderadamente longo.
    • Hock joint: Ancha e inclinada, bem angulado o suficiente, empresa, sem inclinar-se para dentro ou para fora.
    • Metatarso: Não muito longo, sólido, sempre reto visto de frente ou de lado.
    • Pemé mais tarde: Grande, Forma redonda, bem arqueado, bem fechado.

    Movimento:

    Livre, elástico, sem se apressar com bom impulso por trás. Boa estabilidade em todas as articulações e boa coordenação. O trote tende a ser o movimento típico. A cernelha está nivelada com a garupa e a linha dorsal é relativamente estável..

    Manto

    PIEL: Bruto, suficientemente elástico sem vincos ou rugas.

    • Pelo: direto, áspero, separado por um subpêlo bem desenvolvido. O comprimento do pelo externo, bem como do subpêlo, não deve ser inferior a 5 cm. O cabelo da cabeça e dos membros anteriores é mais curto e mais grosso. A cauda é completamente coberta de pelos espessos, dando a aparência de espessa e muito peluda. Cabelo externo comprido forma “escovas” sobre as orelhas, uma “juba” ao redor do pescoço e “calças” na parte de trás da coxa.
    • Companhialor: Alguma cor sólida, malhado ou manchado. Exceto para pretos sólidos; preto diluído ou preto em qualquer combinação ou azul genético ou marrom fígado.


    Tamanho e peso:

    Alturpara a cruz:

    • Machos: Altura desejada 72 – 75 cm. Mínimo 68 cm.
    • fêmeas: Altura desejada 67 – 70 cm. Mínimo 64 cm.

    Alturas mais altas são aceitas desde que a conformação seja harmà´nica.

    Peso:

    • Machos: Mínimo 50 Kg
    • fêmeas: Mínimo 45 Kg.


    Falhas:

    Qualquer desvio dos critérios acima é considerado faltando e a gravidade é considerada o grau de desvio do padrão e seu impacto sobre a saúde e o bem-estar do cão.

    FALTAS GRAVES:

    • Estrutura muito leve ou muito áspera.
    • Desconfiança.
    • Desvios do dimorfismo sexual.
    • Cabeça pequena em proporção ao corpo, leve, fechar, longo, Tosca, cabeça em forma de tijolo ou maçã.
    • Stop abrupto.
    • Focinho: afundado, cà´ncavo ou pontiagudo.
    • Dentes muito pequenos, muito separados, incisivos não colocados em linha, qualquer desvio da fórmula dental (exceto a ausência de PM1)
    • Ossos da bochecha não estão suficientemente marcados.
    • Olhos grandes, saliente, muito claro, mostrando a terceira pálpebra, pálpebras caídas.
    • Orelhas grandes, inserção fina ou muito baixa.
    • Linha superior estriada ou afundada, longo, afundado ou arqueado para trás, garupa mais alta que a cruz.
    • Corpo quadrado, muito áspero, muito longo, estreitar a frente e as costas, extremidades muito longas, peito muito curto, plano ou afundado, garupa curta ou à­ngreme.
    • Cauda de toco.
    • Ossos, músculos e ligamentos fracos.
    • Ausência das angulações corretas.
    • Membros anteriores curvados
    • Movimento desequilibrado.
    • Falta de impulso por trás.
    • Cabelos muito macios, encaracolado, cabelo externo muito curto e sem subpêlo.

    FALTAS DESQUALIFICANDO:

    • Agressividade ou extrema timidez.
    • Qualquer cão que mostre sinais claros de anormalidades físicas ou comportamentais deve ser desqualificado..
    • Qualquer desvio da mordida necessária.
    • Fórmula dentária incompleta (ausência de dentes, exceto terceiros molares (M3) ou primeiros pré-molares
    • Entropia
    • Olhos gazeos, azul escuro, sombreamento verde ou olhos de cores diferentes.
    • Cola amputada.
    • Mancada constante ou incapacidade de conseguir movimento.
    • Cor preta em qualquer variação, sólido, diluà­do, cheep, manchado o como manto (exceto a máscara).
    • Azul genético em qualquer variação ou tom.
    • Trufa, lábios e pálpebras pigmentadas cinza-azuladas.
    • Marrom genético em todas as variações ou tons.
    • Trufa, lábios e pálpebras marrons genéticos.
    • Marcações coloridas em cães pretos, azul ou marrom.
    • altura abaixo do mínimo.
    • Desvios graves de dimorfismo sexual em homens.


    N.B.:
    • Os machos devem ter dois testículos de aparência normal totalmente descidos no escroto..
    • Apenas cães funcional e clinicamente saudáveis, com a conformação típica da raça, deve ser usado para reprodução.

    Los últimas alterações estão em negrito.

    TRADUÇÃO: Brígida Nestler / Versão original: (IN)

    Supervisão técnica: Miguel Ángel Martinez.

    Fonte: F.C.I - Federação Cinológica Internacional

    Nomes alternativos:

    1. Nagazi, Caucasian Mountain Dog, Caucasian Ovcharka (inglês).
    2. kavkazskaïa ovtcharka (Francês).
    3. Kaukasischer Owtscharka, Kawkasskaja Owtscharka (alemão).
    4. mastim-do-cáucaso, Pastor-caucasiano, Ovcharka caucasiano, Mastim do cáucaso, Cão montanhês caucasiano, Cão-urso-russo (português).
    5. Pastor caucásico, Mastín del Cáucaso, Perro de montaña del Cáucaso, Perro Pastor caucásico (espanhol).