▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-de-orelha-vermelha
Pyrrhura hoematotis

Cotorra Colirroja

Conteúdo

Tiriba-de-orelha-vermelha

Descrição:

25 cm. altura.

O Tiriba-de-orelha-vermelha (Pyrrhura hoematotis) é distinguà­vel pelo marrom do frente com bordas azuladas para eles penas; bochechas Verde; coroa e penas de nuca Verde com pontas mais pálidas e amareladas. O partes superiores Verde. Principais coberturas e talvez algumas penas na área da carpo, azul; outros coberturas Verde. Primário Azul com pontas pretas. abaixo de asas com o abrigos de menor Verde, os outros coberturas Preto. Garganta e peito Olive marrom com tons escuros; margens de algumas penas criam um padrão escamoso; lados pescoço também a partir de células escamosas; barriga e coberteras infracaudales Verde com uma mancha marrom mal-definido no centro do barriga. Na parte superior, o cauda de cor marrom com dicas de cor azeitona; na parte inferior, cor de cobre. Pico de osso cor-de-rosa; àris e pernas Marrom.

Ambos os sexos são similares. Imaturo Não descrito.

Descrição 2 subespécie:

  • Pyrrhura hoematotis hoematotis

    (Souance, 1857) – Nominal.


  • Pyrrhura hoematotis immarginata

    (Zimmer & Phelps, 1944) – Tem uma linha vermelha estreita acima do pico. Como nominal mas peito e os lados do pescoço mais verde e com uma decapagem menos óbvio. Não há nenhum depósito amarelo nas penas do coroa e o nuca.

Habitat:

Eles habitam em alta altitude e florestas com árvores de baixa dispersão e áreas abertas, muitas vezes na borda ou no clear, principalmente em altitudes de 1.000-2.000 m, Embora existam relatório das espécies em altitudes entre 600 e 2.400 m. Estima-se que ele executa. migrações altitudinais. Gregária, visto principalmente em grupos de 3-12 fora da época de reprodução, raramente em bandos de até 100 indivà­duos.

Reprodução:

Provavelmente o temporada de reprodução ser no mês de agosto (estação chuvosa).

Alimentos:

Dieta e criação pouco documentadas: alimentos populares incluem goiaba (Psidium) e pecíolos algumas árvores frondosas, possivelmente para remover larvas de insetos.

Distribuição:

Tamanho da área de distribuição (reprodução/residente): 14.300 km2

Para o Tiriba-de-orelha-vermelha é conhecido somente nas montanhas costeiras ao norte de Venezuela, com o registro mais ocidental observada em Cubiro, Lara, o mais oriental em Miranda. Contudo, a maioria dos registros são de Aragua em Miranda; Cubiro é de fato o único site conhecido em Lara e a população lá é aparentemente descontínua (subespécie Pyrrhura hoematotis immarginata). Movimentos diurnos ocorrem a partir das montanhas das terras altas até as áreas de alimentação mais baixa; também aparentemente alguns locais sazonais movimentos guiados pela disponibilidade de alimento.

Bastante comum na maior parte de sua área de distribuição mais restrita e especialmente numeroso no Henri Pittier Parque Nacional; seu status no Lara É desconhecido. Muito apropriado habitat permanece dentro da faixa fora de áreas protegidas, e há uma taxa relativamente baixa de desmatamento, Mas com a perda de habitat constante em torno Cubiro.

Ausente ou muito raro em cativeiro.

Distribuição 2 subespécie:

Conservação:

• Categoria atual da Lista Vermelha dos UICN: Pouco preocupante.

• Tendência populacional: Diminuindo.

Justificação da população

O tamanho da população mundial Ele não quantificou, mas esta espécie é descrita como “bastante comum” (Stotz et ao., 1996).

Justificação da tendência

Suspeita-se que o população está em declà­nio devido à  destruição do habitat em curso.

"Tiriba-de-orelha-vermelha" em cativeiro:

Ausente ou muito raro em cativeiro.

Nomes alternativos:

Red-eared Parakeet, Blood-eared Conure, Blood-eared Parakeet, Red eared Parakeet, Red-eared Conure (inglês).
Conure à oreillons, Perriche à oreillons, Perruche à oreillons rouges (Francês).
Blutohrsittich, Blutohr-Sittich (alemão).
Tiriba-de-orelha-vermelha (português).
Cotorra Colirroja, Perico de Cuello Rojo (espanhol).
Perico Cola Roja (Venezuela).

Classificação científica:

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura hoematotis
Citação: Souance, 1857
Protonimo: Pyrrhura hoematotis

Imagens Papagaio Colirroja:


Tiriba-de-orelha-vermelha (Pyrrhura hoematotis)


Fontes:

  • Avibase
  • Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
  • Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
  • Birdlife
  • Livro papagaios, Papagaios e araras Neotropical

  • Fotos:

(1) – Venezuelano endêmico periquito-de-orelha-vermelha (Pyrrhura hoematotis) fotografado em cativeiro em Merida, Venezuela por http://www.birdphotos.com (Próprio trabalho) [CC POR 3.0], via Wikimedia Commons
(2) – Papagaio-de-cauda-vermelha [Periquito-de-orelha-sangue] (Pyrrhura hoematotis hoematotis) Lugar: Veado, Parque Nacional El àvila por barloventomagicoFlickr
(3) – Bando de papagaios periquito lugar: Veado, Parque Nacional imponncia Repano por barloventomagicoFlickr
(4) – Pyrrhura hoematotis por Diana PadrónFlickr
(5) – Pyrrhura hoematotis por Diana PadrónFlickr
(6) – Iconographie des perroquets: Paris :P. Bertrand,1857 por Biblioteca de patrimà´nio de biodiversidadeFlickr

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-fogo
Pyrrhura devillei


Tiriba-fogo

Conteúdo

Descrição:

Tiriba-fogo

Ele mede 25 - 28 cm e 70 peso GR.

Em voo é notório o axila vermelho com linha amarela no final; Remendo vermelho na barriga. O cauda é vermelho opaco.

Anteriormente era considerada como uma subespécie do Tiriba-de-testa-vermelha (Pyrrhura frontalis), de coroa Castanho, plumagem mais escura, e o coverts infra-asa especialmente o vermelho e o amarelo.

Pico Preto; anel de olho branca nua; à­ris marrom. Cola longo.

Não tem nenhum dimorfismo sexual.

Habitat:

Vive na floresta, nas bordas claras e pantanosas, até que o 1000 (m).

É uma espécie tolerante de perturbação do habitat.

Voar em bandos entre 6 - 12 indivà­duos.

Reprodução:

Ninhos na árvore de tocas e é peças de teatro entre outubro e dezembro.

Alimentos:

Alimentar uma grande variedade de frutos secos e frutas.

Distribuição:

É distribuà­do entre o sul da Brasil (Mato Grosso do Sul), Norte da Paraguai (Noroeste da Concepção e sudeste do Alto Paraguai) e sudeste do Bolívia.

Em Brasil Só é conhecido em Mato Grosso do Sul, Onde é limitado para as serras Bodoquena e Maracayú, no ecótono entre a Planalto e as terras baixas para o Pantanal, e desde o inà­cio da rio taboco no municà­pio de Aquidauana. Tem um escopo muito limitado na Paraguai, de onde os registros desta última estão confinados às matas ciliares ao longo do rio apa.

Conservação:

• Categoria Lista Vermelha do UICN atual: Quase ameaçada
• Tendência populacional: Estável

O tamanho da população mundial Tiriba-fogo Isso não foi quantificado, Mas esta espécie tem sido descrita como “raros“.

Estado de conservação ⓘ


estado Pouco preocupante (UICN)ⓘ

Esta espécie é suspeito que eles experimentaram um moderadamente rápido declà­nio devido à  extensa perda e degradação de sua gama de habitats dentro. Agora sobreviver em uma paisagem altamente fragmentada. Sua área de distribuição em Brasil sofreu extensa perda florestal e degradação devido à expansão agrícola e à produção de carvão. As florestas do norte do Concepção e aqueles que estão em Chaco, na zona mais oriental de Paraguai, estão sob pressão crescente e viram um desmatamento considerável nos últimos 10 anos (R. Argila em litt., 2009).

Há um hibridização aparente com a Tiriba-de-testa-vermelha (Pyrrhura frontalis) observada na rio apa (R. Argila em litt., 2009).

O o comércio é aparentemente mínimo (poço et ao., 1997).

"Tiriba-fogo" em cativeiro:

Estes pequenos papagaios são muito raro em cativeiro, Apesar de seu potencial para animais de estimação é excelente. Eles são pássaros animados e confiança adquirida em breve com seu dono. São muitas vezes do banho e não são mastigar duro. são principalmente calma e eles só devem ser altos quando eles estão animados. Pode ser agressivo em direção a outras aves. Brincalhão e curioso e geralmente resistentes.

Nomes alternativos:

Black-winged Parakeet, Black-winged Conure, Blaze winged Parakeet, Blaze-winged Conure, Blaze-winged Parakeet, Deville’s Conure (inglês).
Conure de Deville, Perriche de Deville, Perruche de Deville (Francês).
Devillesittich, Deville Sittich, Deville-Sittich (alemão).
tiriba-fogo (português).
Chiripepé ala anaranjada, Cotorra de Deville, Perico de Alas Naranjas, Periquito alianaranjado (espanhol).
Periquito alianaranjado (Bolívia).
Chiripepé ala anaranjada (Paraguai).

Classificação científica:

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura devillei
Citação: (Massena & Souance, 1854)
Protonimo: Conurus devillei

Imagens "Tiriba-fogo"

Vídeos "Tiriba-fogo"



Espécies del género Pyrrhura

Tiriba-fogo (Pyrrhura devillei)


Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
– Birdlife

Fotos:

(1) – Periquito-de-asa-Blaze, Pousada Aguape, Mato Grosso Sul, No Brasil piscar por Viagem de animais selvagens
(2) – Iconographie des perroquets :Paris :P. Bertrand,1857 biodiversitylibrary

Sons: (Xeno-canto)

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-de-orelha-branca
Pyrrhura leucotis

Tiriba-de-orelha-branca

Conteúdo

Descrição:

Tiriba-de-orelha-branca

O Tiriba-de-orelha-branca (Pyrrhura leucotis) medida 21 centímetros comprimento e 50-53 gramas, É a menor espécie periquitos de cauda longa.

Seus bochechas e frente, Eles são brown brown principalmente, azul acima olhos e sobre bochechas mais baixos; coroa e nuca, marrom escuro, pontilhada com laranja-castanho a partir das extremidades de canetas; abrigos de fones de ouvido branco a castanho claro; nuca com tons de verde azulado.

Manto e superior da de volta, verde com margens escuras espalhadas sobre algumas penas; parte inferior do de volta, alcatra e abrigos de supracaudales, marrom. Coberteras alares exceto verde principais coberturas que são azul e remendo Vermelho na asas curvadas.

Primário blues. Na parte inferior, o asas com o abrigos de menor Verde, o abrigos de maiores cinza escuro; as penas de và´o cinza. Penas do garganta e os lados pescoço, base azul com uma faixa subterminal amarelada e pontas pretas; Penas do peito com poucos tons de azul e em vez de marrom em bases; o partes inferiores Eles são verdes com um grande remendo marrom no centro de barriga. marrom castanho com bordas verdes na base do redes externas do penas laterais; na parte inferior, o cauda É castanho avermelhado opaco.

Pico Preto; Cere Preto; anel orbital cinza; à­ris laranja castanho escuro; pernas cinza escuro.

O plumagem de ambos os sexos são similares.

estatuto taxonómico:

considerou-se subespécies Pyrrhura [leucotis ou emma] por alguns autores

  • Som do Tiriba-de-orelha-branca.

Habitat:

O Tiriba-de-orelha-branca habita florestas, arestas claras e adjacentes com árvores dispersas incluindo plantações de cacau sombreado Baía, por vezes, visitar parques e áreas residenciais. pode ser observado, principalmente, nas terras baixas (por exemplo, - 600 metros de leste Brasil) e em florestas em altitudes mais elevadas em Northeast Brasil. gregário, geralmente perto de rebanhos 15-20 aves.

Reprodução:

Não há informações sobre o seu reprodução no selvagem. Embreagem 5-9 ovos em cativeiro.

Alimentos:

Provavelmente você tem um dieta comparável a seus parentes próximos em estado selvagem, em que é gravado o hypoleuca Miconia como um dos seus alimentos. Há relatos de alimentação de aves em campos de milho.

Distribuição:

Tamanho da sua gama (jogadores / residentes): 352.000 km2

A distribuição do Tiriba-de-orelha-branca Limita-se ao Sudeste Brasil, a partir de Baía ao sul da río Jequitinhonha, para o sul até Espirito Santo, incluindo o Sudeste Minas Gerais, Brasil, e previamente São Paulo.

Conservação:

  • Justificativa da Lista Vermelha da Categoria

– Isto aparece como espécies Quase ameaçada na base de que suspeita-se que houve uma diminuição da população moderadamente rápidos devido ao perda de habitat e captura.

  • Justificação da população

• Categoria atual da Lista Vermelha dos UICN: Quase ameaçada..

• Tendência populacional: Diminuindo.

• Tamanho da população : 10000-19999 indivíduos.

– O Tiriba-de-orelha-branca Acredita-se que um cidade pequena; No entanto, Marsden et al .(2000) Estima-se que existe uma população total de cerca de 19,300 indivà­duos no Biológica Federal Reserve Sooretama o Reserva Natural de Linhares no estado de Espirito Santo, com base em pesquisas 1998, É o que sugere que a população foi anteriormente subestimada.

– Até uma estimativa actualizada disponà­vel, a população foi provisoriamente colocada na banda 10,000-19,999 indivà­duos maduros, representando uma população de cerca de 15,000-30,000 indivà­duos no total, Embora a estrutura da sub-população não conhecida.

  • Tendência de justificação

Estado de conservação ⓘ


estado Pouco preocupante (UICN)ⓘ

– Suspeita-se que a espécie está em um moderada a rápida diminuição devido à  perda de habitat e captura. Acredita-se que a taxa de declínio não seja tão rápida porque a tolerância dessa espécie a habitats modificados amortece os impactos do desmatamento até certo ponto..

  • Ameaças

– O logging Tem sido extensa, Ela está afetando a maioria dos matas de tabuleiro, em Baía e Espirito Santo.

– A maior parte da cobertura florestal original em que o Tiriba-de-orelha-branca Foi eliminado mais de um século atrás; na notà­cia, estão a ser eliminado muito rapidamente as amostras restantes (poço et para o ., 1997).

– Este pássaro muitas vezes apreendido em cativeiro, sugerindo que há uma grande aves de captura para comércio. (J. Gilardi em pouco ., 2010).

Ações de conservação em andamento

Protegida em partes da Baía (Estação de Reserva Particular Veracruz, e parques nacionais Descoberta, Pau Brasil e Monte Pascoal) (Cordeiro 2002).

Monte Pascoal Ele enfrenta um futuro incerto, como tem sido invadido por indios Pataxó eles têm em grande parte eliminado área vizinha.

– Em outras partes da espécie é conhecida a partir de reservas Linhares-Sooretama (Espirito Santo), Parque Estadual do Rio Doce (Minas Gerais, Brasil) e o Reserva Biológica TingUA (Rio de Janeiro).

Ações de conservação propostas

– continuar monitorização desta espécie no campo e no comércio.

– Fortalecer a rede de áreas protegidas dentro do Mata Atlântica do Brasil conservação dos sà­tios chave.

"Tiriba-de-orelha-branca" em cativeiro:

Muito raros.

Sua dieta em cativeiro é semelhante ao de seus pares.

Sua população no estado selvagem é pequena e diminuindo em que cada espécime cativas desta espécie que é capaz de reproduzir, deve ser colocado em um programa de reprodução em cativeiro bem gerenciado e não vendido como animal de estimação, a fim de garantir a sua sobrevivência a longo prazo.

Nomes alternativos:

Maroon-faced Parakeet, Maroon-faced Parakeet (White-eared), White-eared Parakeet (inglês).
Conure emma, Conure leucotique, Conure leucotique (nominal), Conure leucotique (nominale), Conure leucotique (race nominale) (Francês).
Weißohrsittich (alemão).
tiriba-de-orelha-branca (português).
Cotorra orejiblanca, Perico Pintado, Cotorra cariparda (espanhol).


Classificação científica:

Kuhl, Heinrich
Heinrich Kuhl

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura leucotis
Citação: (Kuhl, 1820)
Protonimo: Psittacus leucotis


Imagens tiriba-de-orelha-branca:

Vídeos "Tiriba-de-orelha-branca"



Espécies del género Pyrrhura

Tiriba-de-orelha-branca (Pyrrhura leucotis)


Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
Birdlife

Fotos:

(1) – periquito Maroon-enfrentado por Gabriel Resende Veiga (Próprio trabalho) [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

(2) – Vários Periquitos Branco-Orelhudo (Pyrrhura_leucotis) Palmitos Park, Gran Canaria, Espanha Por Bjoertvedt (Próprio trabalho) [CC BY-SA 3.0 ou GFDL], via Wikimedia Commons

(3) – Um periquito Branco-orelhudo no Parque das Aves, Foz do Iguaçu, Brasil Por Kee Yip de Union City, Califórnia, E.U.A. (IMG_4336_P1030859Uploaded por snowmanradio) [CC POR 2.0], via Wikimedia Commons

(4) – Parakeet Branco-orelhuda (Pyrrhura leucotis), Vale Reserve, Espírito Santo, Brasil por Brendan RyanFlickr

(5) – Por Almond ButterscotchFlickr

(6) – Papagaios em cativeiro /. Londres :George Bell e filhos,1884-1887 [i.. 1883-1888] por Biblioteca de patrimà´nio de biodiversidadeFlickr

Sons: Roney Souza, XC265102. acessà­vel www.xeno-canto.org/265102

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-cabeça-rosa
Pyrrhura rhodocephala

Cotorra Coronirroja

Conteúdo

Descrição:

Tiriba-cabeça-rosa

24-25 cm. altura.
O Tiriba-cabeça-rosa (Pyrrhura rhodocephala) É um pequeno papagaio com corpo quase toda verde e uma longa cauda. O mais notável é a capà´ rosa avermelhada e mancha vermelha atrás olhos; bochechas até abrigos de supracaudales Verde. Principais coberturas branco, outros coberturas verde, excepto, à s vezes, algumas penas laranja-vermelho espalhadas no curvatura da asa. de Vexilos externos penas de voo, Azul com pontas pretas. Coberturas infracaudales Verde. Penas do garganta, o peito e os lados da pescoço, verde azeitona com dicas acastanhadas que dão um efeito de escala muito fraca; barriga oliva ligeiramente verde que partes superiores, com uma mancha vermelha pálida no centro; o coberteras infracaudales Verde; na parte superior, o cauda colo vermelha acastanhada; na parte inferior, luz vermelha.

Pico cor pálida Horn; anel orbital Branco; marrom o à­ris; pernas cinza escuro.

Ambos os sexos semelhantes.

O imaturo mostra um coroa verde azulado com penas vermelhas espalhadas, principais coberturas base de azul e verde para cauda.

Habitat:

Vídeo – "Tiriba-cabeça-rosa" (Pyrrhura rhodocephala)

Pyrrhura Rhodocephala

Habita principalmente em florestas úmidas, secundário, e páramo, entre 800 - 3400 (m). Residente mas todos os dias faz longas migrações.
Voar em bandos de 10 - 30 indivà­duos.

Reprodução:

Há pouca informação sobre a reprodução, provavelmente temporada de reprodução é entre os meses de Maio e Junho.

Alimentos:

Provavelmente alimenta bagas, sementes, frutas e flores.

Distribuição:

Tamanho da área de distribuição (reprodução/residente): 17,000 km2

Este es-los endémica dos Andes, extremidade noroeste de Venezuela, em ambos os lados do Cordilheira de Mérida a partir de Táchira até Trujillo, com registros em montanhas de Merida e o norte da Barinas.

É provavelmente residente mas eles executam movimentos diários ao longo de distâncias consideráveis. Eles são distribuà­dos em várias áreas protegidas, aparentemente, eficaz, mas o desmatamento continua em sua pequena faixa deve representar uma ameaça a longo prazo.

Conservação:

Estado de conservação ⓘ


estado Preocupação menor ⓘ (UICN)ⓘ

• Categoria atual da Lista Vermelha dos UICN: Pouco preocupante.

• Tendência populacional: Estável.

Justificação da população

O tamanho da população do mundo não foi quantificado, mas espécies É descrito como bastante comum (Hilty 2003).

Justificação da tendência

Suspeita-se que a população é estável na ausência de evidência de qualquer redução ou ameaça substancial.

"Tiriba-cabeça-rosa" em cativeiro:

Ausente em cativeiro, pelo menos fora Venezuela.

Nomes alternativos:

Rose-headed Parakeet, Rose headed Parakeet, Rose-crowned Conure, Rose-crowned Parakeet, Rose-headed Conure (inglês).
Conure tête-de-feu, Perriche tête-de-feu, Perruche tête-de-feu (Francês).
Rotkopfsittich, Rotkopf-Sittich (alemão).
Tiriba-cabeça-rosa (português).
Cotorra Coronirroja, Perico de Cabeza Roja (espanhol).


Classificação científica:

Philip Sclater
Philip Sclater

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura rhodocephala
Citação: (Sclater & Santos da silva, 1871)
Protonimo: Conurus rhodocephalus

Imagens "Tiriba-cabeça-rosa"



Espécies del género Pyrrhura

Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
Birdlife
– Livro papagaios, Papagaios e araras Neotropical

Fotos:

(1) – fouragesofsand
(2) – Pyrrhura rhodocephala, Parakeet Rosa-coroada por John Gerrard Keulemans [Domínio público], via Wikimedia Commons

Sons:

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-de-barriga-vermelha
Pyrrhura perlata

Tiriba-de-barriga-vermelha

Conteúdo

Descrição:

Tiriba-de-barriga-vermelha

24-25 cm comprimento e peso 85-94 (g)

O Tiriba-de-barriga-vermelha (Pyrrhura perlata) tem o lordes e bochechas cor verde-oliva-amarelado com corante marrom; O frente, o coroa e de volta pescoço Ardósia escura com sondas aveludadas, dando uma aparência mosqueada, especialmente nas partes onde aumenta o azul nas bases da penas.

O manto superior é azul; parte inferior do manto até o abrigos de supracaudales Verde. Escapulários Verde na base, Azul para baixo; o abrigos de asa menor, verde-oliva; o abrigos de médio e grande porte, com predominância da cor azul. O penas de voo, Top azul, secundário com o verde na redes externas; escuro de ardósia cinza abaixo.

coberteiras infra-alares vermelho brilhante. Os lados da pescoço, o garganta e a parte superior da peito, com predominância de cor marrom, com algumas marcas azuis e aveludadas Dicas, dando uma aparência escamosa; O fundo do peito e a maior parte do barriga carmesim brilhante; flancos, coxas e coberteras infracaudales, Azul com tom esverdeado. Na parte superior, o cauda, com predominância de cor marrom, tons de verdes e algumas canetas azuis; abaixo, a cauda, cinza escuro.

O pico cor marrom-escura; anel de olho cinza esbranquiçada; àris castanho escuro; pernas ardósia preta.

Ambos os sexos semelhantes.

Imaturo eles não têm a cor carmesim brilhante no partes inferiores; Às vezes com margens escuras na colares.

O Pyrrhura perlata foi anteriormente conhecido como Pyrrhura rhodogaster.

Habitat:

Eles geralmente habitam florestas úmidas em terra seca., Desmarque floresta, secundário e, provavelmente, formações mais seco no norte da Mato Grosso e foram registradas também dominada por figueiras nas florestas orientais de Bolívia.

Geralmente vistas em pequenos bandos e, à s vezes em grupos mistos com o Periquito-de-asa-dourada e o Tiriba-de-testa-azul. Maiores grupos familiares têm sido relatados previamente. Muitas vezes eles foram vistos descendo em rios e córregos para se banhar e beber..

Reprodução:

É se reproduzir entre agosto e novembro, provavelmente em Abril e Junho, ninho em cavidades de árvores. Perà­odo de incubação: 24-25 dias.

O colocar em cativeiro é de 3-9 ovos, sendo 5 a média.

Alimentos:

Os alimentos relatados incluem Amentilhos Cecropia, pequenos frutos de -Trema micrantha, frutas da Figueira, Eugenia e Zanthoxylum, e flores de Bertholletia excelsa e Dioclea glabra.

Distribuição:

Pode ser encontrada em Brasil, na área do grande do Sul-Central bacia do Amazonas, em West Para e na zona ocidental de Amazona, nas bacias hidrográficas Madeira e sul do Tapajós, no extremo norte de Mato Grosso, rios Roosevelt e Aripuanã.

Observados em partes adjacentes de Bolívia e provavelmente amplamente distribuído a leste do Rio Mamoré em me dê e Santa Cruz.

Em geral comum, Mas talvez em declà­nio devido à  perda de florestas em algumas partes de sua área de distribuição (por exemplo, ao longo do rio JI-Paraná em Rondà´nia, Brasil).

Conservação:

Estado de conservação ⓘ


Violação Vulnerável (UICN)ⓘ

• Categoria atual da Lista Vermelha do UICN: Vulnerável

• Tendência populacional: Estável

Justificação da população:

O tamanho da população do mundo não foi quantificado, Mas esta espécie é descrita como “bastante comum” (Stotz et ao., 1996).

Justificação da tendência:

Eles suspeitam que esta espécie tem perdido 23-30.3% de habitat dentro de sua área de distribuição há três gerações (18 anos), baseado em um modelo de desmatamento da Amazà´nia (Soares-Filho et ao., 2006, Pássaros, et ao., 2011). Dada a susceptibilidade das espécies para a caça e captura, Eles suspeitam que a população de Tiriba-de-barriga-vermelha diminuirá em ≥ 30% Há três gerações.

"Tiriba-de-barriga-vermelha" em cativeiro:

Não é muito comum em cativeiro. Sua dieta ideal seria baseado em frutas como: maçãs, Peras, laranjas, bananas, granadas, frutos de Cactus , que formam o 30 por cento de seus alimentos, legumes, como: cenouras, aipo, Vagem, pea em vagem, milho fresco, folhas verdes, como: acelga, alface, Leão, chickweed, Curandeiro, painço; uma mistura de sementes como tal: Ilhas Canárias, pequenas quantidades de trigo e milho, aveia, açafrão e cânhamo, Girassol, feijão e leguminosas cozidas e milho cozido.

Es una ave muy brincalhão a la le encanta bañarse, então brinquedos e uma tigela rasa de água devem ser fornecidos.
Voz moderada, mas quando eles estão animado pode ser um pouco barulhentos. Não é agressivo com outras espécies.
Preço por casal: 500-600 EUR

Nomes alternativos:

Crimson-bellied Parakeet, Crimson bellied Parakeet, Crimson-bellied Conure, Pearly Conure, Pearly Parakeet, Rose-bellied Conure, Rose-breasted Conure, Rose-breasted Parakeet (inglês).
Conure à ventre rouge, Conure perlée, Perriche à ventre rouge, Perruche à poitrine cramoise, Perruche à ventre rouge (Francês).
Rotbauchsittich, Blausteißsittich, Blausteiss-Sittich, Rotbauch-Sittich (alemão).
Tiriba-de-barriga-vermelha (português).
Catita cola granate, Cotorra Ventirroja, Cotorra Ventrirroja, Perico de Pecho Rojo, Perico Perla (espanhol).
Catita cola granate (Paraguai).


Classificação científica:

Johann Baptist von Spix
Johann Baptist von Spix

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura perlata
Citação: (von Spix, 1824)
Protonimo: Aratinga relataram


Imagens Papagaio de carmesim:

Và­deos de "Tiriba-de-barriga-vermelha"



Espécies del género Pyrrhura

Tiriba-de-barriga-vermelha (Pyrrhura perlata)


Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
Birdlife

Fotos:

(1) – Periquito-de-barriga-carmesim (Pyrrhura perlata) também chamado o Crimson-Bellied Conure pelo trabalho derivado: Snowmanradio (falar)Juan_Caparrós_cabeza. JPG: Juan Caparrós [CC BY-SA 3.0 ou GFDL], via Wikimedia Commons
(2) – Periquito-de-barriga-Crimson (também conhecido como o-de-barriga-Crimson Conure) em cativeiro por 8a.jpg-Pyrrhura_perlata_-em cativeiro: Trabalho de Almeidaderivative de nori: Snowmanradio [CC POR 2.0], via Wikimedia Commons
(3) – Conure-de-barriga-carmesim no Parque das aves de Walsrode, Alemanha por Quartl (Próprio trabalho) [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons
(4) – Papagaio por pixabay Crimson
(5) – Pyrrhura perlata por Florin FeneruFlickr
(6) – Conurus rhodogaster = Pyrrhura perlata por Joseph Wolf [Domínio público], via Wikimedia Commons

Sons: Xeno-canto

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-de-peito-cinza
Pyrrhura griseipectus

Tiriba-de-peito-cinza

Conteúdo

Descrição:

23 cm. comprimento e 70 gramas.

Tiriba-de-peito-cinza

O Tiriba-de-peito-cinza (Pyrrhura griseipectus) é um pássaro marcado por uma máscara no rosto avermelhado, interrompido por uma coloração branca em torno das regiões orbitais e fones de ouvido.

as penas do pescoço para a região superior peito Possuem coloração cinza com listras claras intercaladas, dando à  região uma aparência listrada ou escamado. A espécie tem uma característica remendo avermelhado em barriga, destacando coloração verde, sua predominante corpo. a região frente até o nuca, É marrom escuro com manchas brancas ou marrons mais claras que variam de ave para ave.. área traseira pescoço fronteira azul verde com uma largura. Eles têm um remendo marrom avermelhado na parte baixa do mesmo de volta o que leva à  coroa. O cauda É longa e marrom. Pico cinza-escuro; anel de olho cinza-branco; à­ris castanho-alaranjado.

Não tem nenhum dimorfismo sexual. O imaturo Eles são mais suaves do que os adultos; Você espalhados penas verdes no abdómen; o Cere e o anel orbital é branco, menos tom de cinza.

estatuto taxonómico:

Esta espécie é considerada uma subespécie de Pyrrhura [leucotis, emma o griseipectus] por alguns autores

  • Som do Tiriba-de-peito-cinza.

Habitat:

É no florestas tropicais, muitas vezes localizados em regiões serranas, onde as chuvas orográficas favorecem a ocorrência de enclaves Floresta Atlântico e Mata seca entre caatinga.

Reprodução:

O época de reprodução Ela ocorre durante a estação chuvosa. O Pà´r do sol É cinco a oito ovos em buracos escavados por pica-paus uma vez que eles não são capazes de cavar seus próprios ninhos; Eles usam esses buracos para dormir.

Quando os filhotes nascem, o par divide a tarefa de alimentação. Às vezes, eles contam com a ajuda de até mesmo um terceiro membro do rebanho para criar todos os filhotes com sucesso..

Alimentos:

Provavelmente se alimenta de frutas, flores, sementes e algas.

Distribuição e status:

Tamanho da sua gama (jogadores / residentes): 830 km2

Esta espécie foi anteriormente conhecido em 15 localizações (. Anon 2014) Dentro de Brasil. Actualmente, é em apenas três áreas no estado de Ceará, o Serra de Baturité e Quixadá (C. Albano em pouco . 2006, Waugh et al 2010.) e, mais recentemente observado em uma montanha rochosa Ceará, onde cinco aves foram registrado em março 2014 (Anon. 2014).

Em Serra do Baturité parece ser muito raro e parece ter sido extinto de várias áreas, mas os registros recentes de grupos no Área de Proteção Ambiental montanhas Baturité; pesquisas 2007 metade do habitat remanescente no site revelou perto 80 indivà­duos (C. Albano em pouco. 2007, 2008) e a população aqui é agora estimada em cerca de 250 aves (Waugh et al . 2010).

florestas de montanhas Baturité Eles têm sido muito reduzida para dar lugar a plantações de café e só 13% da selva permaneceu em 1996. A descoberta, em 2010 uma população de cerca de 50 aves em Quixadá (Waugh et al ., 2010) Ele aumenta a população mundial conhecida desta espécie em cerca de 300 aves.

O Tiriba-de-peito-cinza Foi anteriormente conhecido duas outras áreas: a encosta oriental do Serra de Ibiapaba em Ceará, e pequeno Serra Negra, em Pernambuco, onde era muito comum 1974, com bandos de 4-6 indivà­duos vistos regularmente no inà­cio 1980, embora não haja registros recentes. Há também relatos não confirmados 1991 estação em orgânica Murici Alagoas em que, possivelmente, que se refere a indivà­duos libertados; trabalho de campo recente foi incapaz de localizar a espécie.

Sua intervalo conhecido é muito pequeno, e as espécies diminuiu drasticamente no passado, uma tendência que pode ser permanente.

Conservação:

  • Justificativa da Lista Vermelha da Categoria

Pesquisas recentes indicam que esta espécie tem um extremamente pequena população, que continua a declinar após quedas históricas dramáticas. Por estas razões, qualifica como Criticamente em Perigo.

  • Justificação da população

Estado de conservação ⓘ


Em perigo crítico criticamente em perigo (UICN)ⓘ

• Categoria atual da Lista Vermelha dos UICN: criticamente em perigo.

• Tendência populacional: Diminuindo.

• Tamanho da população : 200 indivà­duos.

A população da Área de Baturité Montanhas de Proteção Ambiental Estima-se em cerca de 250 aves, e em descoberta 2010 uma população de cerca de 50 aves em Quixadá aumenta a população mundial conhecida de cerca de 300 aves (Waugh et al ., 2010). Isso equivale a cerca de 200 indivà­duos maduros.

  • Tendência de justificação

Esta espécie é suspeito de ser diminuindo rapidamente por causa de sua captura e perda de habitat em andamento dentro do seu alcance.

  • Ameaças

O destruição de habitat Ele tem desempenhado um papel no declà­nio da espécie com a cobertura florestal original agora reduzido para apenas 13%.

O plantações de café (especialmente onde o café é cultivado ao sol em vez de café de sombra) Eles estão afetando o habitat das espécies.

O principal ameaça, No entanto, Acredita-se que vir do captura ilegal curso para o comércio local e nacional (C. Albano um pouco 2006, Anon 2009..) e reprodução em cativeiro (Fernandes-Ferreira et al 2012.); o Tiriba-de-peito-cinza Eles podem ser facilmente adquiridos através da Internet (Girão y Albano 2008).

Ele é facilmente encontrado na o comércio internacional de gaiola de pássaro.

O falta de locais de nidificação naturais Também acredita-se que estão limitando o sucesso reprodutivo das espécies (Campos et al . 2014).

Ações de conservação em andamento

Apêndice II da CITES.

Em Brasil, Considerou-se acima em risco crítico (Silveira y Straube 2008), mas agora foi legalmente designado como ameaçadas nacional (MMA 2014), e protegido A lei brasileira.

mora dentro Área de Proteção Ambiental Serra do Baturité, mas esta área foi designado para o uso sustentável e tradicionalmente não foi alcançado para a conservação.

Gestão da terra por um proprietário privado na área levou a um aumento em uma pequena cidade conhecida (C. Albano um pouco . 2006).

A partir de 2007, ONG AQUASIS O Brasil tem vindo a realizar dois projectos de investigação: um patrocinado pela Fundação Brasileira O Boticário de Proteção à Natureza, a topografia do montanhas Baturité para monitorar sua condição e pesquisar sua biologia; e outro patrocinado Fundación Loro Parque, para populações adicionais (C. Albano em pouco. 2007, 2008).

Os levantamentos realizados nos sítios históricos e áreas de habitat potencial no período 2007-2008 Eles não têm sido capazes de localizar os membros dessa espécie, embora existam fortes indícios de indivíduos que ainda possam estar habitando as áreas degradadas Serra do Estevão, municipalidade mandà­bula, Estado de Ceará (C. Albano em pouco. 2007 2008, Anon 2007), onde foi, na verdade, redescoberto no 2010 (Waugh et al ., 2010).

Uma equipe de AQUASIS, financiado por uma concessão Programa de Liderança para a Conservação em 2012, realizaram buscas pela espécie em uma montanha isolada no Ceará e ele encontrou uma pequena população de cinco indivà­duos em Março 2014 (Anon. 2014).

Você também pode persistir em Serra Reserva Biológica Negra, Estado de Pernambuco, embora uma combinação de plantações de maconha e cultura local hostil dificulte o trabalho de pesquisa nesta última área (C. Albano em pouco. 2007, 2008).


Pelo menos 11 reservas particulares (RPPN) Eles estão em processo de ser criado no Serra de Baturité (C. Albano em pouco. 2007, 2008) e AQUASIS Eles agora estão envolvidos no processo de desenvolvimento de uma reserva natural na montanhas de Baturité (Campos et al . 2014).

AQUASIS fortaleceu os laços com agências governamentais a fim de influenciar as decisões políticas (Campos et al . 2014).

esquema caixa de ninho patrocinado pela Loro Parque Foi realizada com caixas-ninho instaladas em lugares diferentes com o consentimento dos proprietários de terra. (Anon, 2009).

AQUASIS Também eles forneceram ninho de caixas Insecticida tratado para reduzir as infestações de abelha e de vespa (Campos et al . 2014). Essas medidas provaram ser eficazes, com 16 caixas ocupado em 2012 resultando 97 ovos e 71 pintos nascidos com sucesso.

Um campanha de educação e conscientização grande escala foi levado a cabo no Serra de Baturité em 2008 (C. Albano em pouco. 2007, 2008) e continua hoje, com muitas escolas participando atualmente em programas de educação AQUASIS (Campos et al . 2014).

Um dos objectivos principais AQUASIS é promover a Cotorra pechigris como espécie emblemática, o trabalho que está sendo apoiado por ONGs comerciais e água ecoturismo Parque das Trilhas (Anónimo 2009).

AQUASIS Também pretende-se desenvolver a capacidade de observação de aves e um processo de desenvolvimento da consciência criação de meios de subsistência alternativos (Anónimo 2009). Um centro de visitantes foi recentemente criado (Campos et al . 2014).

Produz bem em cativeiro e as ações são realizadas em Brasil e no exterior. Sempre a reprodução em cativeiro é bem gerida e coordenada, pode ser usado para reintrodução na natureza.

Eles estão sendo realizados estudos sobre os fatores que influenciam a taxa de sobrevivência de pintos, genética populacional (em técnicas de ADN futuros pode ser utilizado como um impedimento contra o abuso de aves selvagens); tanto adultos e jovens foram marcados (Campos et al . 2014).

Ações de conservação propostas

realizar mais estudos em áreas semelhantes à  montanhas Baturité no nordeste do Brasil, tais como Serras de Aratanha, Maranguape e Machado, pela presença de populações adicionais existentes.

continuar monitoramento da população conhecido na Serra de Baturité.

melhorar gestão da conservação praticado no Parque Ecológico Guaramiranga.

Proporcionar incentivos para os proprietários de terras para aumentar a rede de reservas privadas montanhas de Baturité.

Monitorar e controlar o comércio local, nacional e internacional.

Investigar a viabilidade do uso bambu gigante (bambu-gigante) como locais para a construção de ninhos artificiais (Campos et al . 2014).

continuar a fazer campanhas de sensibilização para promover o Tiriba-de-peito-cinza como símbolo da conservação das florestas úmidas e da biodiversidade associada no montanhas de Baturité.

Investigar in situ medidas de conservação.

"Tiriba-de-peito-cinza" em cativeiro:

Sua captura contà­nua, tanto para o comércio nacional e internacional, Levaram esta bela ave a uma situação crítica, há apenas 200 espécimes na natureza. Há provavelmente mais animais cativeiro em seu habitat natural

Protegido pela Apêndice II da CITES, cada espécime cativas desta espécie que é capaz de reproduzir, deve ser colocado em um programa de reprodução em cativeiro bem gerenciado e não vendido como animal de estimação, a fim de assegurar sobrevivência a longo prazo.

Nomes alternativos:

Gray-breasted Conure, Gray-breasted Parakeet, Grey-breasted Conure, Grey-breasted Parakeet, Maroon-faced Parakeet (Gray-breasted) (inglês).
Conure à poitrine grise (Francês).
Graubrustsittich, Salvadori-Weißohrsittich (alemão).
Tiriba-de-orelha-branca, tiriba-de-peito-cinza, periquito cara-suja (português).
Cotorra pechigrís, Periquito sujo, Cotorra de pecho gris (espanhol).


Classificação científica:

Salvadori-Thomas
Salvadori Tommaso

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura griseipectus
Citação: Salvadori, 1900
Protonimo: Pyrrhura griseipectus


Imagens Periquito-de-peito-cinzento:

Vídeos "Tiriba-de-peito-cinza"



Espécies del género Pyrrhura

Tiriba-de-peito-cinza (Pyrrhura griseipectus)


Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
Birdlife

Fotos:

(1) – Gray-breasted Parakeet por writhedhornbill [CC POR 2.0], via Wikimedia Commons
(6) – Pyrrhura griseipectus por Internet Archive Livro ImagensFlickr

Sons: Ciro Albano, XC7948. acessà­vel www.xeno-canto.org/7948

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tuim-santo
Tuim passerinus


Tuim-santo

Conteúdo

Descrição:

Tuim-santo

13-14 cm. altura.

O Tuim-santo (Tuim passerinus) é o psitacà­deos menores que podem ser encontrados no continente americano. Distingue-se por ser verde, com um verde mais brilhante na frente, bochechas, parte inferior do corpo e por trás do pescoço; o alcatra verde-claro nos dois sexos, área com um Strip-tease Azul turquesa, seguido por outro greenish-azul em machos; barriga mais leve que o de volta, cauda com borda amarela.

Fêmea com alcatra amarelo-esverdeada e asas sem azul. É possà­vel ter testa de corantes mais amarelado.

Subespécies de descrição:
  • Forpus passerinus cyanochlorus

    (Schlegel, 1864) – Também conhecido como Forpus Schlegel. Semelhante da subespécie Forpus passerinus passerinus, Mas as penas do cauda do feminino Eles são mais verdes no fundo. Também tem mais amarelo ao longo do frente .


  • Forpus passerinus cyanophanes

    (Todd, 1915) – Mostrar mais azul com o área fechado na outra subespécie.


  • Forpus passerinus deliciosus

    (Ridgway, 1888) – O macho tem a parte traseira da área de cor verde esmeralda com corante azul e azul pálido na borda do os abrigos de asa maiores. Fêmea tem mais amarelo em todos os área facial.


  • Forpus passerinus passerinus

    (Linnaeus, 1758) – O nominal.


  • Forpus passerinus viridissimus

    (Lafresnaye, 1848) – Também conhecido como Periquito verde de Venezuela. O plumagem é verde em machos; nas fêmeas varia consideravelmente de acordo com a região em que habitam.

Habitat:

Pode ser encontrada na floresta seca, áreas semi-aberto, culturas, entre outros, até que o 500 (m). Em bandos de mais de 100 indivà­duos. Você pode executar migrações altitudinais.

Reprodução:

Ninhos em ninhos abandonados de pica-paus ou em outros buracos, de Maio a novembro.

Alimentos:

Eles se alimentam de sementes, incluindo o da gramíneas.

Distribuição:

Tamanho da área de distribuição (reprodução/residente): 1.060.000 km2

Este é um muito generalizado e comum. Estão distribuídos no nordeste Colômbia, Norte da Venezuela, Guianas a nordeste de Brasil, também em Curaçao, Trinidad e das àndias ocidentais.

Distribuição de subespécies:
  • Forpus passerinus cyanochlorus

    (Schlegel, 1864) – Situa-se em Roraima, Brasil.


  • Forpus passerinus cyanophanes

    (Todd, 1915) – Encontram-se nas áreas em torno do norte do Colômbia.


  • Forpus passerinus deliciosus

    (Ridgway, 1888) – Situa-se na bacia inferior da Amazona, em Brasil.


  • Forpus passerinus passerinus

    (Linnaeus, 1758) – O nominal. Encontrada na Guiana.


  • Forpus passerinus viridissimus

    (Lafresnaye, 1848) – Encontrado no norte da Venezuela, Trinidad e Tobago.

Conservação:

Estado de conservação ⓘ


estado Preocupação menor ⓘ (UICN)ⓘ

• Categoria atual da Lista Vermelha dos UICN: Pouco preocupante.
• Tendência populacional: Diminuindo.

Justificação da população

O tamanho da população mundial Ele não quantificou, mas esta espécie é descrita como “comum” (Stotz et ao., 1996).

Justificação da tendência

Eles suspeitam que esta espécie tem perdido 19,2-21% de habitat dentro de sua distribuição em três gerações (12 anos) baseado em um modelo de desmatamento da Amazà´nia (Soares-Filho et ao., 2006, Pássaros, et ao., 2011). Dada a susceptibilidade das espécies para a caça ou captura, Suspeita-se que ele vai cair <25% durante tres generaciones.

"Tuim-santo" em cativeiro:

Isto é comum gaiola de pássaro. Em cativeiro são doce e lúdico. Pode ser possessivo com brinquedos e pessoas.

Nomes alternativos:

Blue-winged Parrotlet, Common Parrotlet, Green rumped Parrotlet, Guiana Parrotlet, Guianan Parrotlet, Passerine Parrotlet (inglês).
Toui été, Perruche-moineau de Guyane (Francês).
Grünbürzel-Sperlingspapagei (alemão).
tuim-santo, periquitinho, periquito-do-espírito-santo, periquito-santo, periquito-tabacú, periquito-vassoura (português).
Catita Enana de Lomo Verde, Cotorrita Culiverde, Periquito Coliverde (espanhol).
Periquito Coliverde (Colômbia).
Periquito Mastrantero (Venezuela).


Classificação científica:

Carl Linnaeus
Carl Linnaeus

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Forpus
Nome científico: Tuim passerinus
Citação: (Linnaeus, 1758)
Protonimo: Psittacus passerinus


Imagens Tuim-santo:

Và­deos de "Tuim-santo"



Espécies do gênero Forpus

Tuim-santo (Tuim passerinus)


Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
– Birdlife
– Livro papagaios, Papagaios e araras Neotropical

Fotos:

(1) – Forpus passerinus em Trinidad 2014, Caribe, por Jam.mohd (Próprio trabalho) [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons
(2) – Fotografia do animal de estimação Forpus verde-rumped (Tuim passerinus) Pela auto- (Próprio trabalho) [Domínio público], via Wikimedia Commons
(3) – Green-rumped Parrotlet, (Tuim passerinus), um par, macho (direito) e feminino (esquerda), na Venezuela por kulyka no flickr (piscar) [CC POR 2.0], via Wikimedia Commons
(4) – Periquito mastrantero [Green-rumped Parrotlet] (Forpus passerinus viridissimus) por Cristóbal Alvarado MinicFlickr
(5) – Periquito mastrantero [Green-rumped Parrotlet] (Forpus passerinus viridissimus) por Cristóbal Alvarado MinicFlickr
(6) – Forpus-de-asa-azul, macho adulto (acima); Green-rumped Parrotlet, jovem(?) macho (abaixo) Joseph Smit [Domínio público], via Wikimedia Commons

Sons: (Xeno-canto)

▷ O mundo dos animais de estimação: Cães, gatos, aves, répteis, anfà­bios

Tiriba-de-deville
Pyrrhura lucianii


Tiriba-de-deville

Conteúdo

Descrição:

21-23 cm. altura.

o vistoso plumagem do Tiriba-de-deville (Pyrrhura lucianii) é geralmente verde, mais escuro nas partes abaixo, o coroa é marrom escuro, o frente e rosto cor vermelha acastanhada; bochechas tijolo vermelho, azul desbotado, abrigos de fones de ouvido amarelo acastanhado, pescoço e peito com as escamas típicas muito visíveis devido ao contraste preto e amarelo da penas. O Escudo ventral, avermelhado, é bem definido; em voo é notória mancha vermelho escuro da abdómen. Bem definidos são as marcas avermelhadas sobre o alcatra e em sua longa cauda; o penas de voo Eles são azuis.

Ele tem anel Periocular É claro, à­ris Castanho, pico enegrecido e pernas cinza rosa.

Nota:

Até recentemente esta espécie foi incluà­da junto com a Pyrrhura subandina, Pyrrhura caeruliceps, Pyrrhura pantchenkoi dentro das espécies Pyrrhura picta.

Habitat:

Encontrados em altitudes de 800 m, em florestas Empresa de terra e Várzea, incluindo margens florestais e perto de clareiras com árvores altas. Em florestas baixo semi úmido, de perto 100 m.

Visualizar em casais, grupos de três ou em bandos de até 20 indivà­duos.

Reprodução:

Pouco é conhecido sobre o ciclo reprodutivo desta espécie, provavelmente aninhando em árvores de grandes porte, em cavidades ou no ninho de pica-paus abandonado, com um Pà´r do sol estimado em 5-7 ovos.

Alimentos:

É alimenta uma grande variedade de frutas, flores, sementes e algas, possivelmente.

Distribuição:

Tamanho da distribuição (nidificadora / residente): 47,200 km2

Restrito ao estado de Amazona no noroeste da Amazà´nia Brasil.

Esta espécie é suposta bastante comum dentro de seu alcance, No entanto, Isto não pode ser confirmado, uma vez que nesta região remota rara de tempo é visitada por pesquisadores.

Conservação:

• Categoria Lista Vermelha: Pouco preocupante

• Tendência populacional: Diminuir

Estado de conservação ⓘ


estado Preocupação menor ⓘ (UICN)ⓘ

O status de suas populações é desconhecido, Mas para as boas condições do habitat, pode-se supor que eles estão em boas condições.

Enquanto a tendência da população parece estar diminuindo, Não é acredita que a diminuição é bastante rápido a abordagem é para os limiares de vulnerável sob o critério da população de tendência

"Tiriba-de-deville" em cativeiro:

Embora ele seja um papagaio raro em cativeiro, seu potencial como uma aves domésticas é excelente, desde que seja tem levantado a mão e socializado desde a idade mais cedo. As aves recém importadas são geralmente tímido e nervoso e muitas vezes permanecem reservados.

É geralmente curioso e ativo, Desfrute de voar e requer muito exercà­cio e uma gaiola espaçosa. De um modo geral, Não é muito barulhento a menos que ele está animado. (como geralmente é o caso de todas as espécies Pyrrhura).

Uma vez aclimatado, Estes papagaios são bastante robustos. Aproveite o banho para o que deve ser fornecida eles um prato raso de água diariamente. Eu também adoro os ramos frescos de mastigar.

Nomes alternativos:

Deville’s Parakeet, Bonaparte’s Parakeet (inglês).
Conure de Bonaparte, Conure de Luciani (Francês).
Bonapartesittich, Prinz Luzians Rotschwanzsittich (alemão).
Tiriba-de-deville (português).
Cotorra de Bonaparte, Ñángaro de Deville, Perico de Deville, Cotorrita barriguiroja (espanhol).
Perico de Bonaparte (Peru).

Classificação científica:

Ordem: Psittaciformes
Famà­lia: Psittacidae
Gênero: Pyrrhura
Nome científico: Pyrrhura lucianii
Citação: (Deville, 1851)
Protonimo: Conurus Lucianii

Imagens Tiriba-de-deville:



Espécies del género Pyrrhura

Tiriba-de-deville (Pyrrhura lucianii)


Fontes:

Avibase
– Papagaios do Mundo - Forshaw Joseph M
– Papagaios um guia para os papagaios do mundo – Tony Juniper & Mike Par
Birdlife

Fotos:

(1) – Luciani Maracanã Dev. & Elenco. Pyrrhura lucianii = (Deville, 1851) por de Francis Laporte de Castelnau [Domínio público], via Wikimedia Commons

Sons: Daniel Lane (Xeno-canto)